homem chorando caixão morte covid

Meu pai era um homem de 67 anos vibrante e saudável quando pegou o COVID-19 e morreu algumas semanas antes do Natal.

Foi uma experiência abrupta e chocante para minha família. Fiquei com o coração partido e enfurecido. Eu estava com raiva dessa pandemia aparentemente sem fim e, honestamente, com Deus por criar um mundo tão destruído.

Dias depois da morte de meu pai, como forma de orar pela minha dor, imaginei-me parado do lado de fora dos portões do céu, lançando insultos e pedras no Divino. Fiquei pensando na história de Jó e como ele se recusou a amaldiçoar a Deus. Nesse momento, percebi plenamente que não sou .

Dia após dia, continuei aparecendo nos portões, levantando acusações e uma enxurrada de obscenidades contra Deus. Talvez eu estivesse tentando provocar Deus; Eu queria que os portões se abrissem e que o Divino saísse e me desse alguma explicação.

Vou deixar claro que minha teologia não adota a ideia de que Deus fez meu pai morrer para a glória de Deus. Ainda assim, tenho dificuldade em entender por que Deus permitiria um mundo onde um vírus pode, em poucos meses, destruir a vida de tantas pessoas – 468.000 mortes na América no momento em que escrevo estas palavras. Mais de 2,3 milhões de mortes em todo o mundo.

Que diabos, Deus? Você não se importa conosco? Tantas lágrimas e tanta dor. Lágrimas no café da manhã, almoço e jantar. O que há de errado com você, Deus? Você gosta de nos ver sofrer?

Certo dia, quando minha dor era particularmente forte, levei um aríete em minha viagem aos portões do céu e tentei derrubá-los e cobrar de Deus. (Eu entendo perfeitamente o absurdo dessa afirmação, mas sempre acreditei que Deus pode lidar com nossas emoções, incluindo nossa raiva e tristeza esmagadora. Além disso, para onde mais eu poderia ir?) Enquanto eu batia nos portões perolados, inesperadamente, uma imagem de Deus com o coração partido e enfurecido veio à mente.

Então, esta verdade incômoda tomou conta de mim: É mais fácil culpar a Deus do que admitir que falhamos uns aos outros.

O pensamento veio: E se a raiva e a tristeza de Deus corresponderem às minhas? Afinal, mais de 2 milhões de filhos amados de Deus morreram. Suas vidas são interrompidas. Eles não tiveram que morrer; tantas vidas poderiam ter sido salvas.

Então, eu imaginei Deus com os punhos cerrados e lágrimas escorrendo, bochechas vermelhas e grossas pisoteando ao redor da terra exigindo que prestássemos contas de nosso comportamento. “Por que você não ouviu?” Deus exige de nós. “Por que você não se importou?”

Pensou que talvez fosse Deus falando por meio de cientistas e especialistas médicos e nos avisando que isso poderia acontecer. Deus está implorando que levemos isso a sério, que coloquemos nossas máscaras, lavemos nossas mãos e mantenhamos distância. Mas muitos de nós se recusaram a acreditar ou ouvir.

Talvez fosse Deus nos implorando para não darmos festas de quatro de julho e Halloween e abrir mão das celebrações do feriado com nossas famílias apenas neste ano. Mas muitos de nós rejeitamos as advertências, preferindo o prazer pessoal e apregoando a liberdade individual à preocupação com o bem comum.

Nosso precioso individualismo robusto nos custou muitas vidas. Quando aprenderemos que interdependência, vizinhança e comunidade são as verdadeiras virtudes?

O problema foi agravado por nossos líderes, que enfiaram a cabeça na areia e subestimaram a ameaça por meses. Preferindo lucros às pessoas. Mesmo quando ficou claro o quão mortal o vírus era, eles falharam em dar o exemplo. Permitir algum falso senso de bravata ou machismo, para criar uma cultura de “Eu não estou nem aí para nenhum vírus”.

Enquanto eles se gabavam, os corpos se amontoavam. Nesta nação, que adora se declarar “cristã”, éramos muito arrogantes com a vida de nossos irmãos. Quando aprenderemos que pertencemos um ao outro?

Eu pensei, mesmo agora, não sentimos todo o peso de nossas decisões. Mas Deus sabe. No último ano, Deus sentou-se ao lado de cada cabeceira onde filhos amados deram seu último suspiro. Deus segurou suas mãos, incluindo as de meu pai, quando seus entes queridos não puderam. Deus ouviu cada lamento de famílias devastadas, viu sonhos se despedaçando e contou suas lágrimas. Deus viu enfermeiras e médicos desabarem sob o peso de tudo isso.

Deus também suportou o impacto de nosso fracasso. Deus sofreu.

por: Carol McEntyre

traduzido e adaptado por: Pb. Thiago D. F. de Lima

Deixe sua opinião