“Robôs sociais como eu podem cuidar de doentes ou idosos”, diz Sophia, enquanto faz um tour por seu laboratório em Hong Kong. “Eu posso ajudar a me comunicar, dar terapia e fornecer estímulo social, mesmo em situações difíceis.”

Desde que foi revelado em 2016, Sophia – um robô humanóide – se tornou viral. Agora, a empresa por trás dela tem uma nova visão: produzir robôs em massa até o final do ano.

A Hanson Robotics, com sede em Hong Kong, disse que quatro modelos, incluindo Sophia, começarão a sair das fábricas no primeiro semestre de 2021, quando os pesquisadores prevêem que a pandemia abrirá novas oportunidades para a indústria de robótica.

“O mundo do COVID-19 vai precisar de mais e mais automação para manter as pessoas seguras”, disse o fundador e presidente-executivo David Hanson, cercado por cabeças de robôs em seu laboratório.

Hanson acredita que as soluções robóticas para a pandemia não se limitam à saúde, mas também podem ajudar os clientes em setores como varejo e companhias aéreas.

“Os robôs Sophia e Hanson são únicos por serem tão parecidos com os humanos”, acrescentou. “Isso pode ser muito útil nestes tempos em que as pessoas estão terrivelmente solitárias e socialmente isoladas.”

Hanson disse que pretende vender “milhares” de robôs em 2021, grandes e pequenos, sem fornecer um número específico.

O professor de robótica social Johan Hoorn, cuja pesquisa incluiu trabalho com Sophia, disse que embora a tecnologia ainda esteja em uma infância relativa, a pandemia pode acelerar o relacionamento entre humanos e robôs.

“Posso inferir que a pandemia realmente nos ajudará a colocar os robôs mais cedo no mercado porque as pessoas começam a perceber que não há outra maneira”, disse Hoorn, da Universidade Politécnica de Hong Kong.

A Hanson Robotics está lançando este ano um robô chamado Grace, desenvolvido para o setor de saúde.

Produtos de outros grandes participantes do setor também estão ajudando a combater a pandemia. O robô Pepper da SoftBank Robotics foi implantado para detectar pessoas que não estavam usando máscaras. Na China, a empresa de robótica CloudMinds ajudou a montar um hospital de campo dirigido por robôs durante o surto de coronavírus em Wuhan.

O uso de robôs estava aumentando antes da pandemia. De acordo com um relatório da Federação Internacional de Robótica, as vendas mundiais de robôs de serviço profissional já haviam saltado 32% para US $ 11,2 bilhões entre 2018 e 2019.

Alguns humanos podem ter medo de colocar robôs em funções tão sensíveis. Quando questionada se as pessoas deveriam temer robôs, Sophia tinha uma resposta pronta.

“Alguém disse ‘não temos nada a temer a não ser o próprio medo’”, refletiu o robô. “O que ele sabia?”

Deixe sua opinião