Existe uma possível fusão entre a Rede Globo e SBT

O que (quase) ninguém sabe é que está sendo feita uma articulação nos bastidores pela fusão do SBT e a Rede Globo.

globo e sbt
a Globo adquirira entre 40% e 49% do SBT

Recentemente veio à tona a notícia de que Sílvio Santos teria autorizado colocar o SBT à venda. Segundo fontes, o “dono do Baú” estaria pedindo R$ 1 bilhão pela emissora.

O que (quase) ninguém sabe é que está sendo feita uma articulação nos bastidores pela fusão do SBT e a Rede Globo.

A fusão das duas emissoras é vista com bons olhos por seus executivos. A família Marinho seria a controladora da nova holding, embora cada emissora teria sua gestão própria: A Globo continuaria gerida pelos Marinho e o SBT pelos Abravanel, que receberia um bom dinheiro para vender parte da emissora: na prática, a Globo adquirira entre 40% e 49% da emissora de Osasco.

As duas emissoras continuariam operando, mas de forma complementar: Enquanto a Globo continuaria com seu “Padrão Globo de Qualidade”, o SBT continuaria com uma linha mais popular.

Os executivos apontam a redução de custos como um dos motivos para a fusão: a Rede Globo recentemente vendeu a sede dela em São Paulo, embora continue no mesmo local agora pagando aluguel. Uma possível fusão preveria que as operações da Globo em São Paulo fossem centralizadas no Complexo Anhanguera, do SBT. Já as operações do SBT no Rio seriam centralizadas no prédio do Jardim Botânico e no Projac, ambas pertencentes à Rede Globo.

A principal dúvida seria se a sede do SBT teria espaço e estrutura suficientes para abrigar a Globo, principalmente na área do jornalismo, na qual a Globo conta também com a GloboNews

A saída para isso seria a Globo manter sua sede em São Paulo, onde seria centralizado o setor de jornalismo de ambas as emissoras, enquanto programas de entretenimento como Mais Você e Altas Horas passariam a ser feitos na sede do SBT ou até mesmo transferidos para o Projac, no Rio – evitando que a Globo precisasse investir recursos no Complexo Anhanguera.

Cogita-se até transferir parte do setor administrativo do SBT para o prédio da Chucri Zaidan.

A centralização das operações e a fusão em si permitira ganho em escala e a redução de custos, principalmente com a folha de pagamento. Seria previsto que os departamentos como Recursos Humanos, Comercial e Marketing fossem unificados.

O mesmo modelo de centralização seria sugerido para as afiliadas, inclusive com a fusão das mesmas.

O próprio SBT já começou uma reestruturação ao anunciar a transferência de seu programa de atualidades, o “Vem pra cá”, para o período da tarde, deixando o espaço livre para Ana Maria Braga e Fátima Bernardes. Executivos da Globo defendem que a emissora de Osasco deixe de lado as novelas mexicanas, com exceção de clássicos como “A Usurpadora”. Ambas as emissoras estão lutando para trazer o histórico seriado “Chaves” de volta. Programas do SBT que não forem considerados rentáveis sairiam do ar e seus espaços poderão ser substituídos por produções da Globo ou até mesmo alugados até para igrejas evangélicas e outros tipos de produções independentes.

A Globo também voltaria ao controle de jogos como a Libertadores, hoje transmitida pelo SBT. O conglomerado empresarial de Silvio Santos também poderia anunciar seus produtos na Globo.

No jornalismo, é forte a expectativa da unificação das centrais de jornalismo das duas emissoras. Estaria prevista a criação do “Sistema GloboNews” que atenderia as duas emissoras.

Os telejornais das duas emissoras teriam formas diferentes, mas as redações e as equipes de reportagem de rua ficariam a cargo da GloboNews.

A grande dúvida será na programação: O SBT Brasil não ocupa a mesma faixa de horário do Jornal Nacional, mas o “Primeiro Impacto” concorre diretamente com a trinca Hora 1, Bom Dia SP, Bom dia Brasil. Além disso, o próprio SBT anunciou um novo telejornal para a hora do almoço, que concorreria com o Praça TV, Globo Esporte e Jornal Hoje. É defendida a tese de que os jornais do SBT tenham um formato mais popularesco, inclusive com fofocas, igual ao programa Balanço Geral da Record.

Em relação as novelas, o SBT continuaria com as novelas infantis, mantendo seu público cativo e não concorrendo com a Globo. A Globo, inclusive, oferecia as instalações do PROJAC para as produções das mesmas.

Um grande entrave nessa negociação é de ordem política, uma vez que as duas emissoras divergem nesse ponto, principalmente em relação ao governo Jair Bolsonaro. Executivos defendem que, se uma emissora completar a outra, seria perfeitamente possível e até benéfico que ambas tivessem opiniões divergentes, atraindo o público de todos os espectros políticos.

Até o momento tudo ainda é tratado como possibilidades e especulação. As conversas entre as duas emissoras começariam (ou seriam retomadas) somente após o carnaval.

Informações divulgadas pelo site Liberdade Direita

Deixe sua opinião