Ex-travesti Joide Miranda com sua família
O ex-travesti Joide Miranda, diz em entrevista que a terapia foi fundamental para que ele deixasse a pratica homossexual e que encontrou a verdadeira felicidade.
Ex-travesti Joide Miranda com sua família
O ex-travesti Joide Miranda, diz em entrevista que a terapia foi fundamental para que ele deixasse a pratica homossexual e que encontrou a verdadeira felicidade.

Na última quinta-feira, o ex-travesti Joide Miranda, participou de uma entrevista em um programa de Rádio da ANAJURE, onde falou sobre o PDC 234/2011, que tem como objetivo, sustentar a resolução do Conselho Federal de Psicologia que impede que os profissionais tratem os homossexuais descontentes com sua orientação sexual.

Joide que hoje é pastor evangélico, afirmou que o tratamento psicológico foi muito importante para que ele superasse as confusões que a vida lhe trouxe no passado, revelou que em seu “…interior estava todo bagunçado. Eu colocava meus sentimentos para fora, e a Dra. Rosalba me ajudou a resgatar minha verdadeira identidade”.

Hoje, Joide hoje é casado e tem um filho, afirmou que a luta interior que ele travava, o fez procurar ajuda, e que ele acredita que igualmente a ele, muitas pessoas que estão na prática homossexual, passam pelos mesmo conflitos interno e que precisam ser ajudados, sendo esse um dos motivos que ele questiona o porque o CFP, não permite que essas pessoas, que muitas vezes estão desesperadas passem por tratamentos.

Joide confessou ainda, que para deixar a prática homoafetiva, teve que tomar muitas atitudes, até mesmo a de se afastar de alguns amigos.“Minha mente era totalmente pervertida, mas depois que eu comecei a ser evangelizado, eu deixei todas as minhas amizades, pois naquele momento elas só iam me prejudicar. Passei a buscar coisas novas, vieram muitos conflitos e noites mal dormidas, foi uma luta muito grande no meu interior”.

 “Eu vivia momentos alegres, hoje tenho uma felicidade plena”, disse Joide, garantindo que conseguiu sua verdadeira felicidade ao sair do homossexualismo.

Deixe sua opinião