Ex-namorado teria deixado um bilhete antes de cometer assassinato

Um crime passional chocou e provocou pânico entre frequentadores de um shopping no centro de Nova Iguaçu, na manhã dessa sexta-feira. Assim que começou a trabalhar, às 10h06, Shirlene Joaquim da Trindade, 27 anos, vendedora de uma loja de celulares, foi assassinada pelo ex-namorado Ismênio Fernandes Junior, também de 27 anos, com um tiro na testa. Em seguida, ainda na loja, o assassino se matou com um tiro na boca, usando o mesmo revólver, calibre 38. Ele ainda chegou a ser socorrido por bombeiros e levado para o Hospital da Posse, mas morreu à tarde.A tragédia foi toda filmada por um circuito interno de TV, durou cerca de três minutos e provocou tumulto e correria de clientes que chegavam ao shopping. Transtornado com o rompimento do namoro, há cerca de quatro meses, Ismênio invadiu a loja armado, pediu que duas clientes e um funcionário saíssem, fechou a porta de vidro e iniciou uma discussão com a ex-namorada.
Shirlene ainda tentou acalmá-lo. Como não conseguiu, quis mordê-lo, mas foi jogada ao chão e logo levou um tiro na testa, morrendo na hora. Em seguida, Ismênio disparou contra a própria boca. Amigos contaram que ele era sócio de uma gráfica no bairro da Prata, em Nova Iguaçu, e havia sido aprovado recentemente em concurso para a Polícia Militar.
O crime teria sido motivado pela decisão de Shirlene de não reatar o relacionamento que durou quase quatro anos. Segundo colegas da vítima, Ismênio teria telefonado várias vezes para Shirlene na quarta-feira de manhã. No mesmo dia, à tarde, a procurou no trabalho. Ela teria conversado com ele, e retornado chateada, dizendo que pretendia registrar ocorrência de ameaça na delegacia, o que acabou não fazendo.
Shirlene tinha uma filha de 3 anos, de seu primeiro relacionamento. Parentes contaram que ela era uma pessoa alegre, comunicativa e cheia de sonhos, e que acompanhava os pais nas atividades religiosas da Igreja Cristo Vive, em Nova Iguaçu. Na loja, era empregada há pouco tempo. foto materia principal.
O titular da 52ª DP (Nova Iguaçu), o delegado Júlio Vasconcellos, está procurando um suposto bilhete de despedida que Ismênio teria deixado no porta-luvas do carro. No bilhete, ele teria dito que amava a família e que iria sair para resolver um problema.
A mãe de Shirlene, Sirlene Nascimento da Trindade, teve crise nervosa quando chegou ao shopping. Acompanhada do marido, o pastor Noel Joaquim da Trindade, ela foi socorrida por bombeiros e internada numa clínica particular.
odia/padom

Deixe sua opinião