Noticias gospel – Brasília viveu um dia atípico ontem. Diversas lideranças evangélicas, entre elas, bispos, pastores, teólogos, missionários e até mesmo leigos, protocolaram uma carta onde pedem o afastamento imediato do presidente da câmara Eduardo Cunha PMDB-RJ.

BBmxGndNo documento o grupo de cerca de 300 pessoas, alegam que o presidente da câmara perdeu totalmente a legalidade de dirigir um dos poderes institucionais do país. O grupo alega que não se manifestou antes devido estarem aguardando o rumo das investigações, porém os documentos enviados pelo Ministério Público da Suíça comprovaram o teor das denuncias feitas pelos delatores nas investigações da Lava Jato.

O texto afirma que as ações de Cunha, “que se identifica como evangélico”, merecem repúdio. Frisa também que “a corrupção não é a marca distintiva da política para os evangélicos. Ela é a marca de certa ‘safra’ de representantes. Mas os evangélicos verdadeiros não se comportam assim e diante do escândalo de proporção internacional, o grupo resolveu se manifestar a fim de que as pessoas vejam que os evangélicos não se identificam como tal.”

O grupo foi recebido na câmara dos deputados pelo PSOL, e eles se disseram envergonhados com a atitude de Eduardo Cunha diante da corrupção e também diante das mentiras que o parlamentar comete regularmente.

Um dos líderes afirma que a ligação de Cunha com a igreja, mancha a história do povo evangélico na nação, porém o grupo se diz chocado com a atitude de certos pastores midiáticos que ainda defendem Cunha ou fingem que não esta acontecendo nada com o parlamentar.

Leia também!  Deputado Daciolo conclama o Brasil e realiza oração no Congresso

Um jornalista perguntou sobre a possibilidade do grupo pedir o afastamento da presidenta Dilma também, um dos pastores disse que o grupo toma posição após os fatos serem  apurados, e por enquanto, não há contas de Dilma no exterior contendo milhões de dólares como a de Cunha. Se um dia a justiça mostrar, a atitude será igual.

Perguntado sobre a atitude de Marco Feliciano que ainda defende Cunha publicamente e do pastor Silas Malafaia não ter se manifestado sobre o caso, um dos representantes do grupo alegou que não queria tratar sobre tais, mas sim sobre Cunha, finalizou dizendo que cada um defende seus interesses, e o grupo estava defendendo o interesse do Brasil.

Veja aqui quem assinou o manifesto e registrem sua opinião.

 

André Santos

Portal Padom

Deixe sua opinião