O ministério cristão International Christian Concern (ICC), tomou conhecimento de que um estudante cristão de Karachi, no Paquistão, quase foi morto depois de ser esfaqueado em um ataque por colegas muçulmanos. Como é comum nos ataques de muçulmanos aos cristãos, os pais do aluno foram pressionados pela polícia para não prestar queixa. No entanto, a família declarou que eles querem justiça. De acordo com um defensor local de direitos humanos, este incidente violento resultou da intolerância religiosa não controlada no sistema educacional do Paquistão.

O incidente começou na sexta-feira, 15 de fevereiro, quando Haroon Irfan, um estudante cristão da Escola Governamental Mohammadi, em Karachi, relatou que seu colega muçulmano, Muhammad Majid, roubou e danificou seu caderno escolar. De acordo com o diretor da escola, Muhammad Aftab, Haroon é conhecido pelo apelido de “pequeno Einstein” por causa de sua inteligência.

Haroon fez uma queixa ao professor e, quando o caderno foi retirado da mochila de Majid, ele ficou irritado e se sentiu insultado “, disse Irfan Masih, pai de Haroon, ao ICC.

Dois dias depois, no domingo, 17 de fevereiro, Haroon foi atacado por Majid e vários outros meninos muçulmanos quando estava a caminho de comprar comida em um restaurante local. “Quando Haroon estava sozinho na estrada, Majid e cinco outros espancaram Haroon por alegar [Majid] roubar seu caderno e reclamar com o professor ”, explicou Irfan.

No curso do ataque, os assaltantes esfaquearam Haroon no estômago, danificando seu rim. “O ataque foi tão terrível que o rim de Haroon foi cortado em dois pedaços”, disse um ativista cristão local à ICC.

Os assaltantes fugiram do local, deixando Haroon ferido no chão. Quando Haroon foi descoberto, ele foi levado às pressas para Jinnah Hospital, em Karachi, onde os médicos foram obrigados a remover o rim.

O pai de Haroon informou que a polícia local inicialmente não estava disposta a registrar um First Information Report (FIR) sobre o ataque a Haroon. Segundo Irfan, a polícia o pressionou para resolver o problema fora do sistema judicial do Paquistão.

Não estamos entrando em nenhum processo de negociação ou perdão“, disse à ICC Khursheed Bibi, avó de Haroon. “Nós queremos justiça.

Este incidente é uma continuação de incidentes anteriores de intolerância que temos experimentado em escolas e faculdades “, declarou Ghazala Shafeeq, um defensor local dos direitos humanos, nas redes sociais. “Os cristãos se sentem inseguros, portanto as autoridades devem apresentar medidas práticas para garantir sua segurança e proteção.”

As autoridades também devem introduzir emendas ao sistema educacional para promover a tolerância religiosa ” , continuou Shafeeq. “ Se não purificarmos instituições educacionais e excluirmos o material de ódio dos livros didáticos, vamos prejudicar a próxima geração. “

O gerente regional da ICC, William Stark, disse: “Nós, aqui no ICC, estamos profundamente angustiados com o violento ataque contra Haroon. Nossos pensamentos e orações vão para ele e sua família. A intolerância religiosa e a discriminação baseada na identidade religiosa são comuns no Paquistão. Infelizmente, isso não está presente apenas nas instituições educacionais do Paquistão, é amplamente modelado por muitos professores e ensinado pelos currículos escolares. Esperamos que este ataque leve à justiça para Haroon, bem como uma mudança real nas instituições educacionais do Paquistão. Essas instituições devem ser lugares seguros onde os alunos podem receber uma educação adequada, independentemente de sua identidade religiosa”

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia