ESTÁ ESCRITO!

Mt. 4.1:11

(Mateus 4:1) – ENTÃO foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.

(Mateus 4:2) – E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome;

(Mateus 4:3) – E, chegando-se a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.

(Mateus 4:4) – Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.

(Mateus 4:5) – Então o diabo o transportou à cidade santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo,

(Mateus 4:6) – E disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces em alguma pedra.

(Mateus 4:7) – Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus.

(Mateus 4:8) – Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles.

(Mateus 4:9) – E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.

(Mateus 4:10) – Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás.

(Mateus 4:11) – Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviam.

O plano de Deus foi ousado porque desde o pecado de Adão o homem estava com a sua comunhão rachada com Deus. Não havia mais uma comunicação direta da Terra com o Céu. Essa comunhão e comunicação só poderia se dar através de um resgate realizado pelo próprio homem. Por onde começou a ruína, deveria começar a redenção. Esse mundo não suporta a gloria de Deus), mas, que homem poderia fazer isso sem que houvesse nele pecado?

Depois de tentar o homem no Éden a pecar, satanás reclamou a posse da terra e intitulou-se príncipe desse mundo. O nascimento de Jesus traz consigo um propósito: Desmentir a pretensão de satanás acima explanada. Provando que a pretensão de satanás era falsa.

É quando Cristo se coloca à disposição do Pai e diz: “Eu vou!”

Cristo se esvazia de toda a sua gloria e chega ao plano terreno com 100% de natureza humana, nascendo do ventre de uma mulher. Só que com um detalhe, Nele não havia máculas ou rugas, pecados ou delitos, iniqüidade ou transgressões. Era através de Cristo que essa comunicação seria restabelecida.

Quando satanás vê o nascimento de Jesus ele entende que veio alguém divinamente habilitado para retirar dele o domínio sobre o mundo e começa a tremer na base:

1º. Porque viu os anjos de Deus atestar a autoridade do recém nascido Rei dos reis.

(Lucas 2:13) – E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo:

(Lucas 2:14) – Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.

2º. Porque sabia da ocupação que Cristo ocupava no Céu.

(Salmos 80:17) – Seja a tua mão sobre o homem da tua destra, sobre o filho do homem, que fortificaste para ti.

3º. Porque estava vendo a restauração da comunhão do homem com Deus e o seu resgate das profundezas do pecado.

(Lucas 2:11) – Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor.

Ele tenta de todas as formas matar Jesus, insuflando o coração de Herodes, mas não consegue êxito na sua tentativa.

Quando chegamos ao capítulo 4 de Mateus vemos que satanás começa a enxergar que os seus planos e suas ações durante séculos estão indo por água abaixo. Um pouco antes Jesus está à beira do Rio Jordão para ser batizado, satanás está entre os espectadores e então contempla um dos maiores espetáculos da Terra: Ao levantar das águas abrem-se os céus, desce o Espírito Santo na forma de uma pomba sobre Jesus e Deus brada do Céu: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.” (Mateus 3:17)

Nesse momento satanás tem uma certeza: Ou venceria ou seria vencido

É dentro desse contexto que satanás vai utilizar o ambiente do deserto para tentar vencer Jesus. Essa mesma história é narrada nos Evangelhos de Marcos e Lucas. Diz a Bíblia que Jesus foi levado pelo Espírito ao deserto e que lá foi tentado pelo diabo durante 40 dias. A Bíblia vai dizer também que Jesus durante todo esse período não comeu nada. E que ao final desse período de tentação, vieram os anjos e então serviram a Jesus.

Considero essa passagem uma das mais fortes passagens da Bíblia sagrada e um ponto da história que determinou a continuidade do plano divino. Ao tentarmos buscar a revelação de Deus nesse texto tão rico, conseguimos compreender algumas verdades que se passam em nossa vida e podemos certamente extrair algumas lições muito fortes e que vão impactar nossa vida de tal maneira que nunca mais veremos os desertos de nossas vidas como muitas vezes eles se apresentam.

Todas as vezes que pensamos em deserto a primeira imagem que nos aparece em mente é a imagem de uma visão natural do deserto, ou seja, sempre que pensamos humanamente em deserto temos a visão de um lugar de sequidão, um lugar muito quente durante o dia cuja temperatura pode chegar a 50o. graus Celsius e a noite faz muito frio com temperatura abaixo de 0o. graus Celsius, um lugar de solidão, um lugar de fome e sede, um lugar de animais peçonhentos como serpentes e escorpiões, um lugar de esquecimento, um lugar de escassez, provações e privações…

Leia também!  Como "Vingadores: Ultimato" revela implicações sérias sobre o Fim dos Tempos

Mas eu quero inspirado pelo Espírito Santo de Deus (o mesmo que levou Jesus ao deserto) te levar a ver o deserto não com uma visão humana e natural, mas sim com uma visão espiritual e sobrenatural. Se conseguirmos enxergar o deserto com os olhos da fé veremos que o deserto é o lugar aonde Deus lhe dá as maiores oportunidades de crescimento. O deserto é o lugar que está servindo de escola de Deus que Ele preparou como palco da sua grande atuação, o lugar onde Deus te colocou para você impor derrotas ao diabo e suas feras. O deserto é lugar da Gloria de Deus se manifestar.

Muitas vezes pensamos que Deus nos abandonou em meio aos nossos desertos, mas, essa passagem nos enche de esperança porque a Bíblia diz que Jesus foi levado ao deserto pelo Espírito. E quando eu leio isso podemos extrair uma lição:

Há momentos em que vamos ao deserto não por intermédio do diabo, mas pelo próprio Espírito Santo. Em ambos os casos somos levados com um propósito. Dentro do propósito do diabo está a estratégia de utilizar o natural para nos derrotar.

Quando o diabo nos leva para o deserto é para:

  • Sofrermos com o calor
  • Sofremos com o frio
  • Sofremos com a falta de comida
  • Sofremos com a falta de água
  • Sofremos com a falta de ter com quem dividirmos nossas dificuldades
  • Sofremos com o desgaste físico

Com o Espírito Santo é diferente. Dentro do propósito do Espírito Santo está a estratégia de utilizar o sobrenatural para nos fazer vencer.

Quando o Espírito nos leva ao deserto é:

  • Quem nos aquece
  • Quem nos refrigera a alma
  • Quem nos sustenta
  • Quem nos fortalece

É Aquele com quem podemos dividir nossas fraquezas porque está pronto sempre a nos ouvir.

Com o Espírito Santo o corpo pode estar debilitado, mas, a alma e o espírito estão vivos, estão cheios, estão fortes, estão exalando o bom perfume de Cristo Jesus. Enquanto o corpo está gemendo querendo parar, dizendo “eu não agüento mais” o Espírito está dizendo: “Não pára, vai em frente que logo ali há um oásis de Deus para você.” Glorifica e exalte a Deus nesse momento! Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia!

JESUS FOI LEVADO AO DESERTO PELO ESPÍRITO DE DEUS!

Havia um propósito nisso. A Bíblia diz que ao final de 40 dias Jesus teve fome. E achamos que essa fome de Jesus está relacionada somente ao campo físico, a uma necessidade fisiológica. E quando nos encontramos no deserto nós temos a sensação de que a nossa maior necessidade é de ter o que comer e beber. Será que é só isso? Por uma revelação e inspiração divina eu te digo que não é. Por experiência de vida com Deus eu te digo que não é.

Durante muito tempo, todas as vezes que li esse texto eu pensei que a fome de Jesus no deserto estava relacionada à falta de alimento. Afinal de conta ele ficou 40 dias sem comer.

SERÁ QUE O AMBIENTE DA TENTAÇÃO É O AMBIENTE DA PRIVAÇÃO?

SERÁ QUE A PRIVAÇÃO DE BENEFÍCIOS, SUPRIMENTOS É O QUE NOS TORNA VULNERÁVEIS A TENTAÇÃO?

Há uma necessidade maior do que a material. Para que possamos entender a maior necessidade de Jesus no deserto. Vejamos algumas passagens que falam de duas necessidades básicas do ser humano e que nos dão algumas pistas.

1ª. SEDE:

Em Jo. 4.7:13 uma mulher samaritana tinha ido tirar água de um poço e lá ela encontrou com Jesus que lhe pediu água. Espantada por ser samaritana e Ele judeu, questiona: “Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana?”

E respondeu-lhe Jesus: “Se tivesses conhecido o dom de Deus e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe terias pedido e ele te haveria dado água viva.”

Intrigada ela pergunta: “O poço é fundo e você não tem como retirá-la… Donde, pois, tens essa água viva?”

E replicou-lhe Jesus: “Todo o que beber desta água tornará a ter sede;”

“Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna.”

Passando por Samaria Jesus liberou seus discípulos para comprar comida. Ele pediu água à mulher samaritana. O que se deduz que Ele estava com sede. Sede de que?  De água.

Será que Jesus estava com sede de água?

No deserto será que Jesus poderia ser tentado somente pela falta de comida?

Será que para ser privado de alguma coisa seria necessário ter sido levado ao deserto?

Leia também!  Alimentando as ovelhas ou divertindo os bodes

Jesus propôs a essa mulher a condição de nunca mais ter sede. E só quem poderia fazer isso por ela era Jesus.

Como é que Jesus promete isso a essa mulher se ele mesmo dá indícios de ter sede?

Porque há uma sede que é a do corpo que a água natural é capaz de saciar, mas há uma sede que é a da alma e essa somente alguém pode saciar. (Apocalipse 7:17) – Porque o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará, e lhes servirá de guia para as fontes das águas da vida; e Deus limpará de seus olhos toda a lágrima.

No versículo 28 desse mesmo capítulo diz que essa mulher deixou o seu cântaro e retornou à sua cidade…

Entendo por uma inspiração divina que essa mulher deixou a visão natural e assumiu a visão do sobrenatural.

A visão dessa mulher em meio à sua sede era a visão daquele poço e daquela água. Uma visão natural.

Jesus tira essa mulher da visão natural da sua necessidade e apresenta-lhe a visão de uma fonte de águas vivas. JESUS APRESENTA-LHE UMA VISÃO SOBRENATURAL.

O que eu quero ministrar hoje sobre sua vida é que Jesus vai te tirar dessa visão natural das suas necessidades, das suas privações e vai te levar a uma visão do sobrenatural de Deus. O sobrenatural do milagre, da vitória, do suprimento das necessidades não somente físicas, materiais, mas, também espirituais. Você vai sair desse deserto mais vivo do que nunca, mais forte, mais vigoroso, mais confiante, mais crente…

2ª. FOME:

Em Jo. 4.31:34 Jesus havia liberado seus discípulos para comprar comida e eles lhe disseram: “Rabi, come.” Demonstrando preocupação achando que Jesus estava com fome.

Jesus, porém, respondeu: “Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis.”

Então os discípulos diziam uns aos outros: “Trouxe-lhe, porventura, alguém algo de comer?”

E disse Jesus: “A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra.”

Jesus prometeu à mulher samaritana não ter mais sede e está dizendo que a comida que de fato o alimenta é fazer a vontade do Pai.

Em Jo. 6:48 Jesus diz: Eu sou o pão da vida.

Ele é o próprio pão. Se Ele diz que é o próprio pão. É como se Ele dissesse: Eu supro todas as necessidades. Se Ele supre todas as necessidades, seria possível que a maior necessidade de Jesus no deserto fosse de pão? Como poderia o pão da vida sentir tanta falta de um pão material?

Jo. 6.49:51; 53:58

49 – Vossos pais comeram o maná no deserto, e morreram.

50 – Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra.

51 – Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo.

53 – Jesus, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos.

54 – Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.

55 – Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida.

56 – Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele.

57 – Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim, quem de mim se alimenta, também viverá por mim.

58 – Este é o pão que desceu do céu; não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre.

O que leva o diabo então a pensar que Jesus estava com o coração quebrantado a ponto de tentá-lo?

O que leva o diabo a pensar que o próprio Filho de Deus tenha ficado vulnerável o suficiente a ponto de cair nas suas propostas?

De que privação a Palavra de Deus está falando?

A ESTRATÉGIA DO DIABO NO DESERTO

Ele espera você ficar debilitado. Veja o que acontece com uma pessoa que fica um longo período sem se alimentar:

Uma pessoa pode ficar em média de 5 a 7 dias no máximo sem beber água. E de 30 a 40 dias sem comer.

Quando se fica muito tempo sem comida, chega uma hora em que não dá para segurar o apetite ou a compulsão. A conseqüência disso? Ataque ao que estiver pela frente!

A explicação fisiológica: há uma queda na taxa de glicose no sangue (hipoglicemia), que traz uma vontade louca de mastigar. Tem mais: Além da redução da leptina, o hormônio da saciedade, a carência de alimentos aumenta a produção de grelina, hormônio da fome. Juntos eles levam à compulsão e, mais grave, abrem as portas das células de gordura para que essas calorias sejam armazenadas mais rapidamente.

A tudo isso junte as condições normais do deserto. Forte calor durante o dia e altas temperaturas à noite, lugar muito seco, arenoso.

Por isso eu creio que a tentação do diabo veio somente nos últimos dias desse período aproveitando-se das condições adversas no deserto. O diabo aproveita-se de nossas fraquezas para conseguir seu intento. A tentação não vem no início, mas ela vem quando a prova está cada vez mais dura e pesada. É quando estamos fadigados, com a nossa mente cansada sem saber o que fazer. É quando não agüentando mais, as lágrimas escorrem pelo nosso rosto numa demonstração clara de SOS para Deus. Mas eu quero te encorajar a não desistir de caminhar no deserto, a não cair nas tentações de satanás porque quando ele tenta é sinal de que a vitória está chegando.

Leia também!  Análise Bíblica – Livro de Sofonias A.T.

AGUENTA FIRME, A VITÓRIA ESTÁ CHEGANDO!

O deserto deixa algumas marcas em quem consegue resisti-lo. Marcas externas na forma de pele ressecada, cansaço físico e mental, fadiga muscular.

Mas o deserto deixa também uma marca interna que é a mesma que deixa em um soldado no 

campo de batalha: RESISTÊNCIA. E essa marca vai gerar um VENCEDOR.

Na tentação o diabo utiliza algumas artimanhas:

ELE LANÇA A DÚVIDA NO CORAÇÃO DO HOMEM, “SE TU ÉS…”

(Mateus 4:3) – Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.

  • Filho de Deus porque é que está passando por essa prova?
  • Porque é que está desempregado?
  • Porque é que está doente?
  • Porque é que está falido?
  • Porque é que está passando necessidade?

ELE EXALTA A AUTOSUFICIÊNCIA, “… MANDA…”

Só podemos solicitar alguém que mande se reconhecermos que esse alguém tem poder para mandar, não é verdade?

Isso significa que o diabo reconhece que tanto Jesus como nós temos poder. E ele instiga-nos a achar que não dependemos de Deus para nada. Só que Jesus responde:

(Mateus 4:4) – Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus.

Nenhuma dúvida, nenhuma vaidade, nenhuma dificuldade e nenhum poder nos separará do amor de Deus. Porque fomos criados para o Seu louvor.

O material por si só não mantém ninguém. Tudo que é natural tem um fim, mas o amor de Deus é eterno e vai conosco para a eternidade.

ELE DETURPA A PALAVRA DE DEUS, “… PORQUE ESTÁ ESCRITO…”

(Mateus 4:6) – E disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces em alguma pedra.

Ele cita um versículo do Salmo 91 deturpando a Palavra de Deus tentando fazer com que Jesus use seu poder em benefício próprio. Estava escrito? Sim. Mas Jesus responde:

(Mateus 4:7) – Disse-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus.

ELE PROMETE DAR AQUILO QUE NÃO TEM, “… E MOSTROU-LHE TODOS OS REINOS DO MUNDO, E A GLÓRIA DELES.”   

Ele promete te prosperar, curar, restituir, libertar, mas a verdadeira prosperidade, cura, restituição e libertação só há em Deus.

  • (Romanos 5:11) – E não somente isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual agora alcançamos a reconciliação.
  • (I Coríntios 1:31) – Para que, como está escrito: Aquele que se gloria glorie-se no Senhor.

(Mateus 4:10) – Então disse-lhe Jesus: Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás.

O que levou o diabo a pensar que Jesus estava com o coração quebrantado a ponto de tentá-lo?

O que leva o diabo a pensar que o próprio Filho de Deus tenha ficado vulnerável o suficiente a ponto de cair nas suas propostas?

Lucas 22 marca o momento da ceia do Senhor e o versículo 15 vai nos mostrar o que levou o diabo a pensar que Jesus poderia cair nas suas tentações:

(Lucas 22:15) – E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça;

O diabo achou que Jesus estava sozinho o suficiente para cair.  Sabe de onde vêm as suas tentações?

Da sua solidão. Da necessidade que você tem de ganhar o pão nosso de cada dia. De resolver seus problemas. Você tem que trabalhar para pagar suas dívidas, você tem que correr atrás para como diz o carioca, “tirar o prejuízo”. Você acaba se isolando nos seus problemas e acaba esquecendo-se de se relacionar com aquele que resolve os seus problemas.

O que Jesus mais sentia falta no deserto não era de comida e nem de bebida, mas, da necessidade de se relacionar com os seus irmãos, com seus discípulos, com as pessoas. De sentar à mesa e manter comunhão com seu semelhante.

Mas Jesus não caiu. Deus o sustentou. Porque Jesus mesmo no deserto não estava só, afinal de contas quem o levou para o deserto foi o Espírito de Deus e o Espírito estava lá, não se ausentou. Deus não abandonou o seu Filho.

Deus está contigo no seu deserto. Ele não te abandonou. O Espírito do Senhor está com você te sustentando e você vai chegar ao final dos 40 dias com a sua vitória!

Porque ESTÁ ESCRITO que anjos vão te servir!

Creia nisso!

Nele, por Ele, para Ele.

Pr. André Lepre

Deixe sua opinião