Espectadores querem que filmes bíblicos sejam fiéis a Bíblia

Uma pesquisa realizada pela Christian News Service, entre 1200 pessoas nos Estados Unidos, concluiu que 79% dos cristãos e 71% dos não crentes, consideram que a “fidelidade histórica e bíblica”, de um filme é um elemento importante na hora de escolher se vai ou não assistir ao filme que é baseado na Bíblia.

Questionado especificamente para o filme “Êxodo: Deuses e Reis” de Ridley Scott, que será lançado em dezembro, 80% dos entrevistados de fé cristã responderam que teriam interesse em assisti-lo caso soubesse que o roteiro do filme manteria fiel ao texto bíblico. Já 68% dos entrevistados explicaram que se soubesse que o filme não fosse fiel a narrativa bíblica, não o assistiriam.

Já na questão de que Hollywood normalmente ‘retrata de maneira equilibrada’ os cristãos, 43% dos entrevistados opinaram que não. 46% considera que as grandes produtoras de filmes dão uma ‘imagem negativa’ dos cristãos, e 40% dos entrevistados não crentes chegaram à mesma conclusão.

Russ Jones, presidente da Christian News Service, concluiu sobre o estudo de que “isto deveria dar um aviso de que é fundamental usar dados históricos e temáticas bíblicas com toda a fidelidade possível”.

“Enquanto alguns em Hollywood somente veem a comunidade cristã como um público economicamente lucrativo, muitos crentes chegaram a conclusão de que Hollywood não os representa de uma forma justa“, acrescentou

Deve a arte recriar exatamente as histórias bíblicas?

Mas nem todos os cristãos acreditam que é inaceitável que um filme com fundo bíblico não se ajuste ao texto. Entre eles, o colunista Cole Smith, que explicou sua posição em um artigo publicado pela revista Relevant.

“Se há algo que temos aprendido com toda a controvérsia em torno do filme ‘Noé’ não é que Hollywood seja má ou tenha algum tipo de agenda secreta para destruir o cristianismo. O que temos aprendido é que muitos de nós temos medo da arte”, acredita Smith.

“É o momento de que aceitemos que as épicas bíblicas modernas não são reportagens que tentam descrever de forma fiel uma sequencia de eventos. Não são especiais do canal de Historia tentando explicar de uma maneira exata os eventos históricos. São uma forma de voltar a contar artisticamente historias que já são bem conhecidas.”

O colunista conclui que a arte é “explorar o desconhecido”, “aproximar o que não foi visto”, é “ler nas entrelinhas” e “imaginar que outra realidade é possível.”

Portal Padom

Deixe sua opinião