Uma enfermeira de Nevada que viajou para Nova York para combater a pandemia do coronavírus Covid-19, gravou um vídeo denunciando a “negligência nojenta e má administração médica” que ela testemunhou pelo menos em dois hospitais da cidade e Nova Iorque apontando que é uma situação que “não incomoda ninguém”.

O vídeo foi postado no Youtube há alguns dias e já recebeu quase 900.000 visualizações. A mulher que aparece na gravação foi identificada como Nicole Sirotek, uma trabalhadora de saúde da cidade de Elko, Nevada, que se mudou para Nova Iorque para ajudar seus colegas em situação de emergência de saúde. 

A mulher não mencionou em quais hospitais ela trabalhava, embora pareça que sejam instalações onde a maioria dos atendidos são membros de minorias étnicas. “A vida dos afro-americanos não importa aqui” , confessa Sirotek no vídeo.

Segundo a enfermeira, quando tentou interceder pelo tratamento de pacientes hispânicos e afro-americanos, ela foi imediatamente removida de seus casos.

Além disso, em suas declarações, Nicole denuncia erros médicos básicos que causaram mortes entre os pacientes. Ela afirma que muitos dos infectados com coronavírus não estão morrendo de Covid-19, mas “são mortos” por médicos negligentes.

Ninguém escuta, eles não se importam com o que está acontecendo com essas pessoas. Venho aqui todos os dias para literalmente ver como eles estão sendo mortos. Eles não se importam porque são todas minorias“, lamentou.

A enfermeira disse que um anestesiologista intubou indevidamente um paciente e, quando eles disseram ao médico assistente, ele se recusou a acreditar e esperou cinco horas antes que o erro fosse confirmado por radiografia. Sirotek disse que o paciente morreu.

Em outra ocasião, uma pessoa erroneamente recebeu compressões torácicas, enquanto outra paciente recebeu insulina errada. Ambos os pacientes também morreram.

Nós não estamos tratando a Covid-19 aqui. Desde que eu estive aqui, eu não vi ninguém ouvir sons de pulmão [em pacientes]”, confessa a mulher, acrescentando que ela tentou entrar em contato com diferentes grupos e organizações, mas até o momento ela não recebeu nenhuma resposta. “Ninguém faz nada”, concluiu.

De acordo com o New York Post , que cita Quinton Martínez, um de seus colegas de enfermagem em Nevada, que também viajou para Nova York para tratar pacientes com o novo coronavírus, quando o vídeo apareceu online, Nicole foi enviada para outro lugar. .

Não fiquei surpreso com o que estava acontecendo com ela“, disse Martinez. “Com base no que vi, achei que eles teriam maior respeito pelas pessoas e melhores práticas de controle de infecções para ajudar a impedir que os pacientes piorassem“, acrescentou o homem, referindo-se ao sistema de saúde da cidade.

Atualmente, a cidade de Nova Iorque, continua sendo o epicentro da nova pandemia de coronavírus nos Estados Unidos, com 174.709 casos infectados e mais de 14.000 mortes confirmadas, segundo dados recentes. Ao mesmo tempo, o número total de pessoas infectadas no país é próximo de 1.400.000, enquanto mais de 80.000 pessoas morreram.

No Brasil coronavírus

No Brasil não é muito diferente o que está acontecendo, existem diversas denúncias que muitas pessoas que morreram são apontadas no atestado de óbito que faleceram de coronavírus COVID-19, no entanto elas morreram de outras doenças.

Também existem casos de pessoas que estão enfermas com outros tipos de doenças, mas são lhe recusados tratamento para morrerem e atestarem como causa do COVID-19.

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia