Empresário russo oferece recompensa de 1 milhão de dólares para quem capturar Putin

O empresário russo disse que o presidente russo Vladimir Putin, chegou ao poder "explodindo prédios de apartamentos na Rússia".

0
79
Empresário russo oferece recompensa de 1 milhão de dólares para quem capturar Putin
Empresário russo oferece recompensa de 1 milhão de dólares para quem capturar Putin

Uma recompensa de 1 milhão de dólares pela prisão do presidente russo Vladimir Putin foi oferecida a oficiais militares pelo empresário russo Alex Konanykhin em um post que ele publicou nas mídias sociais esta semana, enquanto a Rússia continua sua invasão da Ucrânia.

“Prometo pagar 1 milhão de dólares  aos oficiais que, cumprindo com seu dever constitucional, prenderem Putin como criminoso de guerra sob as leis russas e internacionais”, escreveu Konanykhin no LinkedIn. “Putin não é o presidente russo, pois chegou ao poder como resultado de uma operação especial de explodir prédios de apartamentos na Rússia, depois violou a Constituição ao eliminar eleições livres e assassinar seus oponentes”.

“Como um russo étnico e um cidadão russo, vejo como meu dever moral facilitar a desnazificação da Rússia. Continuarei minha assistência à Ucrânia em seus esforços heróicos para resistir ao ataque da Orda de Putin”, acrescentou o empresário. Orda é a palavra russa para “horda”, uma gangue predatória e saqueadora.

A postagem foi acompanhada por uma imagem com uma foto de Putin e as palavras “Procurado: morto ou vivo. Vladimir Putin por assassinato em massa”.

Konanykhin tem uma história turbulenta com o governo russo.

De acordo com um artigo de 1996 no The Washington Post , Konanykhin estudou no Instituto Técnico e de Física de Moscou antes de abandonar seus estudos e abrir uma cooperativa de construção estudantil. Ele então se ramificou em uma série de outros negócios, incluindo bancos, ações e imóveis.

Aos 25 anos, ele tinha um império de mais de 100 empresas. Em 1992, suas empresas valiam cerca de US$ 300 milhões. Ele até fez parte da primeira delegação do então presidente russo Boris Yeltsin em Washington naquele ano.

Em 1996, enquanto morava nos Estados Unidos, Konanykhin e sua esposa foram presos por agentes federais de imigração sob a acusação de violar as condições de seus vistos americanos. O caso aparentemente foi desencadeado depois que as autoridades russas alegaram que ele desviou US $ 8 milhões do Russian Exchange Bank em Moscou.

O caso durou semanas, com agentes do FBI testemunhando que a máfia russa havia assinado um contrato pela vida de Konanykhin, bem como um ex-agente da KGB que testemunhou ter sérias dúvidas sobre as acusações apresentadas contra o oligarca.

Durante o julgamento, Konanykhin testemunhou que alguns de seus assessores corporativos no Russian Exchange Bank começaram a pressioná-lo por dinheiro e fizeram ameaças, levando-o a se mudar para a Hungria, segundo o Post. Ele alegou que foi novamente ameaçado com violência, o que o levou a fugir para a República Tcheca e depois para Nova York.

Konanykhin reclamou das ameaças às autoridades russas e até mesmo ao próprio Yeltsin. A certa altura, as autoridades pararam de investigar as ameaças e começaram a investigá-lo, alegando que ele havia transferido ilegalmente US$ 8 milhões do banco para suas contas pessoais no exterior. As autoridades russas alegaram que sua versão dos eventos era falsa e visava caluniar seus ex-funcionários.

Um acordo foi finalmente alcançado e ele foi libertado da detenção e, eventualmente, recebeu asilo político. Apenas alguns anos depois, no entanto, o Conselho de Apelações da Imigração revogou o asilo político e ordenou que ele fosse deportado. Konanykhin e sua esposa tentaram fugir para o Canadá, mas foram presos.

A deportação do casal foi cancelada após uma série de audiências de emergência depois que o juiz distrital dos EUA TS Ellis considerou a decisão ilegal, dizendo: “Tenho a firme impressão de que é o forte desejo das pessoas no poder executivo devolver este homem à Rússia para que razão eu não posso dizer. Isso fede”, de acordo com um relatório do Moscow Times. Ele recebeu asilo novamente em 2007.

Em 2011, ele fundou a TransparentBusiness, que ajuda as empresas a gerenciar sua força de trabalho remota. Ele também faz parte do Unicorn Hunters, um programa que permite que os fundadores de unicórnios façam apresentações para milhões de investidores em todo o mundo.

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui