Eleição de Zuma coloca poligamia do presidente sob holofote

0
81

mdnxyvcafkpl17caszisd9cap8k85hca74oz04caulan3tcalqatancayf6f61cae237hdcab4iigsca4gt92ica5zhcb8calngwb2carbls24cao45e86ca88v0tdcayyf75gcan3is27calizmvd

Johannesburgo – A perspectiva da ascensão de Jacob Zuma à Presidência da África do Sul acendeu um debate acalorado sobre a poligamia, uma tradição tribal, num país em que grande parte da população almeja ser aceita como parte do mundo ocidentalizado.

“Quem será a primeira-dama?”, diverte-se a imprensa local, tentando adivinhar qual das três mulheres (declaradas) receberá a honraria: a discreta Sizake Khumalo, idade desconhecida, com quem é casado há 50 anos, a evangélica Nompu Mantuli, 34, (a aparente favorita) ou a mais recente, Thobeka Mabhija, 35. Especula-se que Zuma, 67, tenha até seis mulheres e ao menos 18 filhos. A informação é da Folha Online.

O futuro presidente -que terá a eleição indireta confirmada após a posse do novo Congresso, eleito anteontem- é um zulu que faz uso extensivo das raízes em seu marketing de “homem do povo”.

Pagou por isso: igrejas e partidos cristãos foram críticos de sua vida amorosa durante a campanha, ao que Zuma deu de ombros: “Muitos políticos escondem suas amantes. Eu amo todas as minhas mulheres”.

A poligamia é um costume arraigado na zona rural. Depois da distribuição de renda, nada ilustra melhor o golfo entre as duas metades do país: uma mirando a Europa e os EUA, outra fiel às tradições africanas.

Fonte: África 21

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui