Os Estados Unidos, o Brasil e o mundo está em crise. Durante anos, o crescente nível de depravação evidente em nossa cultura ficou claro para quem tem olhos abertos para ver. Este ano, as condições pioraram com a propagação de doenças e a perspectiva muito real de graves dificuldades econômicas a seguir.

No meio disso, notei um tema comum nas mensagens que ouvi pregadas nos sites da igreja. “Deus te ama, ele está no controle, não se preocupe, tudo ficará bem.” Essas são boas palavras para nos deixar confortáveis ??e seguros.

Certamente, essas mensagens são bíblicas, mas suponha que não reflitam o que Deus quer que escutemos neste momento. Alguém está disposto a pensar diferente sobre isso ou a nossa nação precisa cair ainda mais na escuridão, a ponto de ser tarde demais?

Existe um padrão evidente nas Escrituras de que o povo escolhido de Deus, a nação de Israel, apesar das muitas bênçãos que recebeu de Deus, acabaria se desviando a ponto de cair no pecado profundo e arraigado como nação. Aconteceu várias vezes.

No Novo Testamento, vemos evidências de que os filhos adotivos de Deus, a Igreja estabelecida por Jesus, seguiriam o mesmo padrão que Israel. No livro do Apocalipse, três das sete cartas escritas para as igrejas emitiram fortes repreensões. Como exemplo, Jesus repreendeu a Igreja de Sardes: “Você tem reputação de estar vivo, mas está morto”.

Mais notavelmente, as três cartas de repreensão foram emitidas para os crentes que presumivelmente se sentiam confortáveis ??na prática de sua fé, assim como a maioria dos cristãos hoje em nosso país.

E isso levanta uma questão interessante para as igrejas que acreditam que estão “vivas” e para a grande maioria dos cristãos que podem se sentir satisfeitos com seu nível de devoção a Deus. Dadas as profundas trevas espirituais que agora cobrem nossa terra e a crise sem precedentes que enfrentamos agora, não devemos considerar que esses mesmos avisos de Apocalipse possam se aplicar a nós, aqui e agora?

Já é fácil apontarmos para a cultura e pensarmos que o problema existe, mas a verdade é que existem igrejas em todos os lugares e as evidências sugerem que nossas igrejas não têm sal e têm impacto mínimo. Será que nossa nação está correndo no caminho das trevas espirituais porque a igreja se perdeu? Quem perguntará: “Me procure, oh Deus”, quando se trata de examinar nossas próprias vidas ou a saúde espiritual de nossa igreja?

Então, vamos pensar sobre isso por um minuto e considerar um exemplo simples entre muitos que poderíamos citar. Deus disse: “Minha casa será uma casa de oração”, e foi assim que os primeiros cristãos viveram. De fato, eles “todos se uniram constantemente em oração”. Por outro lado, entre as muitas igrejas que conheço ou pesquisei, a maioria não tem apenas uma reunião semanal em que o foco exclusivo é a oração e, no caso daqueles que o fazem, poucas pessoas realmente participam.

Na Igreja Evangélica, valorizamos muito edifícios agradáveis, tecnologia sofisticada, programas bem planejados, mensagens envolventes, música profissional, diversão e comunhão, mas onde existe uma igreja evangélica que seja um local de oração? Como pode uma igreja onde falta essa oração se considerar “viva”? E se pertencemos a uma igreja assim, não deveríamos estar profundamente entristecidos por nossos pecados nesta área?

Pense nisso seriamente. Nossas vidas refletem o ensino duro de Jesus, que disse que devemos negar a nós mesmos e tomar nossa cruz, ou refletem uma busca de conforto e prazer ao procurar viver o sonho americano? Se você estivesse diante de Jesus hoje, teria motivos para pensar que ele diria: “Muito bem, servo bom e fiel?”

Infelizmente, muitos de nós caímos na armadilha de acreditar que estamos bem, porque todo cristão que conhecemos vive praticamente da mesma maneira. No meio desta crise atual, e à luz da imoralidade que prevalece em nossa nação, agora é o momento de um auto-exame sério, e nossa vara de medir não é a igreja no caminho, é a Igreja da Bíblia e precisamos parar de inventar desculpas para justificar nosso fracasso.

Com que autoridade podemos criar um novo modelo de igreja que não se assemelha à Igreja das Escrituras? Eles viveram vidas sacrificiais, não vidas de luxo e conforto que buscamos; eles eram Um Corpo unido amor, não isolados um do outro em igrejas de silo que não têm conexão significativa; e, diferentemente de nós, eles espalharam o Evangelho com ousadia, e “o Senhor acrescentou diariamente a seu número aqueles que estavam sendo salvos”. Alimentando tudo isso, estava o poder do Espírito Santo, desencadeado em plenitude, porque “todos se uniram constantemente em oração”.

Como podemos afirmar que acreditamos que as Escrituras são divinamente inspiradas, mas se recusam a colocar em prática esses ensinamentos fundamentais e ficam ociosos enquanto nossa nação se aproxima do julgamento?

Sim, Deus nos ama e ele está no controle, mas nem tudo está bem, e as instruções de Deus para esse período são bastante claras. “Se meu povo, chamado por meu nome, se humilhar, orar, buscar meu rosto e se afastar de seus maus caminhos, então ouvirei do céu, perdoarei seus pecados e curarei sua terra.”

Neste tempo de crise, nós, na Igreja, temos a responsabilidade de refletir seriamente sobre as advertências de Deus, de nos arrepender de nossos pecados e de colocar nossas casas espirituais em ordem. Se fizermos isso agora, talvez possamos refazer nossas igrejas em casas de oração que honram a Deus de tal maneira que ele trará avivamento.

por: Jim Ash
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago D.F.de Lima

Deixe sua opinião