Decadência e renovação caracterizam a igreja européia

“A Europa é um continente marcado pelo declínio da igreja, mas não está morta”, diz Niek Tramper. De fato, o secretário-geral da Aliança Evangélica Européia, acredita que a palavra “paradoxo” é o que melhor descreve o estado da igreja no país.

Há poucas semanas ele compareceu, juntamente com outras seis pessoas a um culto em uma igreja Anglicana em Veneza, e reconheceram que “dificilmente se pode discernir o futuro de uma igreja, ha muitas igrejas tradicionais deste tipo nas cidades de toa Europa“, reconheceram.

Tramper recordou de uma reunião com um ganês que veio para Dusseldorf, na Alemanha, há 20 anos com desejo de retribuir o amor do cristianismo que chegou a seu país. Agora o africano pastoreia uma igreja multinacional de mil membros que conta com seis cultos cada domingo que inclui alemães entre os seus membros.

“Este pastor não esta só. Ha muitos pastores africanos que vieram a Europa para partilhar o Evangelho”. A “GATE” “Gif from Africa to Europe), é uma organização criada especificamente para apoiá-los.

A riqueza material é inegável na Europa e a pobreza espiritual, igualmente inegável. “Este continente costumava ser responsável de enviar missionários. Agora se tornou num novo continente para missão“, disse Tramper em um congresso na Mission-Net em Erfurt, na Alemanha.

Tramper, disse que concordou com a previsão do sociólogo norte-americano Philip Jenkins, que demonstrou pessimista sobre o futuro da igreja tradicional na Europa, afirmando que os cristãos devem estar preparados para o seu enterro.

Apesar das previsões pessimistas, Tramper ve sinais de renovação e renascimento em três áreas. O primeiro é o movimento que está surgindo nas igrejas estabelecidas, tais como o curso Alpha e Taizé.

A segunda área de crescimento é com as igrejas de imigrantes, que são os que mais crescem na Europa. Duas grandes igrejas forma plantadas por nigerianos, uma em Londres e uma na capital ucraniana Kiev.

“As igrejas de imigrantes podem nos ajudar a identificar os ídolos modernos ocidentais. Nós podemos ajudá-los a reconhecer a secularização.” disse Tramper

A terceira é a esperança de que a igreja européia cresça, com a proliferação de plantação de igrejas na última década. Atualmente, existem mais de 20 redes pan-europeias dedicadas à plantação de igrejas, eles tem plantado em todas as cidades da Europa.

Exatamente por isso que algumas igrejas na Europa tiveram um crescimento excepcional e outra não, não esta clara. “Há segredos por trás disso? Eu não sei”, diz Tramper. “Mas, realmente, o verdadeiro amor… o amor não pode ser substituído por atividades. É necessário compartilhar o amor de Deus dia a dia.”

“Na Europa, as pessoas tendem a ser muito religiosa, mas não muito fiel. A fé não se trata convicção ou sentimentos, devemos viver e ter a certeza, não hesitar nesta verdade de o que Deus tem feito em tempos de crise, o renascimento está próximo”.

Portal Padom

Com informações Noticias Cristiana

Deixe sua opinião