O cristianismo na Índia está crescendo a um ritmo acelerado entre os índios de classe média, entre as castas superiores e entre os jovens, segundo descrito na revista missionária Unfinished, em uma reportagem que aborda as tendências sociais, econômicas e culturais que constituem a “nova Índia”.

cristianismo-índiaO antropólogo indiano Prabhu Singh compartilha em um artigo intitulado “Bem Vindos à Nova Índia”, cinco aspectos que dominam atualmente a sociedade. Entre eles destaca a “notável receptividade do cristianismo” em todo o espectro social. Tradicionalmente o cristianismo tem sido abraçado pelas pessoas de castas mais baixas e comunidades marginalizadas.

Singh acrescenta na descrição da “nova Índia” o impacto das conectividades que gera a globalização, uma maior sensibilidade cultural na população, o alarmante despertar religioso e a crescente disparidade econômica.

“Com mais de 71 milhões que afirmam pertencer ao cristianismo, a Índia é a oitava maior nação cristã do mundo”, explica Dick McClain, presidente e CEO da Mission Society, que publica a revista. “No entanto, com 456 línguas e mais de 2.611 grupos étnicos diferentes, a Índia ainda tem mais grupos de pessoas não alcançados com o evangelho do que qualquer outra nação – 88% de sua população.”

Considerado como o país com maior diversidade étnica do planeta, a “nova Índia” está passando por rápidas mudanças que levam a uma maior diversidade e complexidade.

De fato, atendendo as tendências que apresenta o antropólogo Singh, juntamente ao crescimento do cristianismo aparece “alarmante” religiosidade que esta dando lugar a perseguição e a resistência violenta que sofrem os cristãos. Também a ‘conectividade global’ tem seus pontos escuros: traz oportunidades econômicas, mas também reforça as diferenças entre ricos e pobres, impedindo que as castas mais baixas façam progressos.

Segundo publica a Unfinished, esta “nova Índia” assume um papel importante e um desafio missionário para aqueles que querem levar o evangelho ao país asiático. – cbn

Portal Padom

Deixe sua opinião