A República Centro-africana é um país que não costuma chamar a atenção da mídia. No entanto, o país está em crise desde que os radicais islâmicos derrubaram o presidente François Bozizé em março deste ano.

cristãos-assassinados-República-Centro-AfricanaDe acordo com o relatório oficial da ONU e do Conselho de Segurança, é, literalmente, “um país sem lei”.  No centro do conflito é disputado o poder da nação de 4,6 milhões de pessoas.

No geral, as notícias sobre os conflitos relatados pela imprensa falam de um aspecto étnico. No entanto, o embaixador francês na ONU, Gerard Araud, relatou à Comissão das Nações Unidas sobre os direitos humanos: “Cresce a cada dia a violência no país. Muçulmanos, cristãos e igrejas são atacados e massacrados. Agora estão surgindo milícias cristãs preparadas com armas para enfrentar os muçulmanos”.

Oficialmente, a ex-colônia francesa tem 66% de cristãos e 17% muçulmanos. Mesmo a minoria, os islamitas querem impor a sharia, pelo quais o conflito político tornou-se ema uma verdadeira guerra religiosa.

Na cidade de Bossangoa, cidade natal do ex-presidente, milhares de cristãos fugiram de suas casas após os ataques de rebeldes jihadistas. Mais de mil deles se refugiaram na missão católica no centro da cidade, com medo de serem mortos, mas muitos viram como suas casas foram invadidas e queimadas.

O líder cristão, Juan José Aguirre, explica que os cristãos organizaram uma marcha para protestar contra abusos cometidos por combatentes muçulmanos que invadiram a cidade. “Eles não gostam, eles trouxeram suas armas e queriam impedir a marcha. A situação se deteriorou a partir daí que tudo começou. Todos os que morreram eram da nossa comunidade cristã”, disse ele. “Estamos sobrecarregados, milhares de homens, mulheres e crianças em busca de refúgio.”

Ainda não divulgou o número oficial de mortos após o conflito. Mas de acordo com a ONU, existem cerca de 35 mil refugiados cristãos até o momento, as cidades e aldeias inteiras estão desertas. Muitos missionários estrangeiros deixaram o país a pedido das embaixadas que não podiam garantir sua segurança.

Grupos de direitos humanos acusam os rebeldes de saques, assassinatos, estupros e sequestrar crianças para se tornarem soldados. John Ging, chefe de operações humanitárias da ONU, descreveu a situação como “caótica”. “A magnitude do sofrimento é um dos piores do mundo, ficando pior. É um barril de pólvora que pode se transformar em algo muito, muito grande e muito, muito ruim”, lamentou.

Igualmente acontece acontece em outros países africanos, como Egito, Sudão, Tanzânia, Etiópia, Somália e Quênia, os ataques contra os cristãos têm se intensificado. Assim, o Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu intervir, enviando 250 soldados para proteger os trabalhadores das Nações Unidas na República Centro-africana.

Desde o golpe, a liderança do país está nas mãos de Michel Djotodia, que convidou os rebeldes para se juntar ao exército nacional.

Portal Padom

Com informações de World Mag, The Africa Report, BBC e Noticias Cristiana

Deixe sua opinião