As mulheres prosseguem com a vida diária em um acampamento para deslocados internos (IDPs) no terreno da Catedral de São Pedro Claver, na cidade de Bangassou, República Centro-Africana, em 21 de outubro de 2017. (UN Photo / Eskinder Debebe)

BANGUI, República Centro-Africana (RNS) – Centenas de muçulmanos estão presos em uma catedral católica na cidade de Bangassou, no sul do país, incapaz de deixar o complexo por medo de serem atacados por uma milícia cristã.

Os muçulmanos foram atacados e assassinados na área em torno de Bangassou, uma pequena cidade mercantil na fronteira com a República Democrática do Congo, quando uma guerra civil de quase cinco anos entre a maioria cristã e os muçulmanos dividiu a parte sudeste do país.

Em julho, um autointitulado Grupo de Defesa da Igreja para os Cristãos convocou todos os cristãos no país para realizar ataques de vingança contra os muçulmanos por matarem cristãos.

O líder do grupo, François Nzapakéyé, disse que “padres e pastores são sistematicamente assassinados“. Ele citou o padre Paul Emile Nzalé, assassinado em um ataque de 200 homens armados em maio em Notre Dame de Fátima, na capital, Bangui.

Vingaremos os assassinatos de muitos líderes da igreja e homens de Deus, mortos no exercício de suas funções. Muçulmanos ou cristãos, veremos”, disse Nzapakéyé em seu comunicado aos seguidores.

No entanto, em Bangassou, a Catedral de São Pedro Claver abriu suas portas para cerca de 2.000 muçulmanos. E a três horas aO leste, centenas de estudantes e moradores se refugiaram em uma paróquia local em Zemio. Em ambos os lugares, os muçulmanos e seus protetores vivem em constante medo de ataques em meio a ameaças da milícia cristã.

“Há homens armados aqui esperando que os muçulmanos saiam do campo para que possam matá-los”, disse o padre Yovane Cox, da diocese de Bangassou, que mora no complexo. “Precisamos ajudá-los o mais rápido possível para evitar confrontos e banho de sangue.”

“Eu posso ser morto a qualquer momento”, disse Aboubakar Abdoulaye, 22, ao serviço de notícias religiosas por telefone de dentro do complexo da catedral. “Ouvimos sons de tiros e explosivos todas as noites. Você não pode sair do acampamento para procurar comida ou lenha. Eles vão te matar.

O conflito étnico e religioso que divide a República Centro-Africana, que é 80% cristã, começou em 2013, quando a milícia Seleka, majoritariamente muçulmana, depôs o presidente Faustin-Archange Touadéra. Em resposta, milícias cristãs chamadas de “anti-balaka” se levantaram para combater os rebeldes muçulmanos.

Leia também!  Pastor evangélico é preso depois de liderar marcha "contra a idolatria"

Milhares dos dois lados foram mortos e um quinto da população do país fugiu para o exterior ou internamente.

A milícia cristã, disse Mohamadou Mana, que mora no complexo da catedral, está “determinada a nos eliminar“. Mana, 28 anos, perdeu a família em um ataque em março de 2017, quando se aventurou para fora por comida.

“Eles vêm nos dizendo que vão eliminar completamente a comunidade muçulmana no país”, disse Mana. “Nós precisamos de ajuda.”

Líderes da Igreja acusados de proteger famílias muçulmanas também estão sendo ameaçados.

“Eles nos chamam de traidores”, disse Jean-Alain Zembi, um padre em Zemio. “Eles vão te matar se descobrirem que você está protegendo os muçulmanos.”

Dom Juan José Aguirre, bispo de Bangassou, disse à BBC no ano passado que, apesar da proteção dos soldados da ONU, o fato de abrigar muçulmanos no Petit Séminaire St. Louis provocou ataques a clérigos.

Nós fomos atacados por cristãos. Eles atacaram meu carro”, disse Aguirre. “Nossas propriedades foram completamente vandalizadas. Somos alvos dos dois lados, cristãos e muçulmanos”.

“Mas devemos ajudar as pessoas quando elas precisam de nós – aqueles que são vulneráveis, incluindo muçulmanos e crianças”, disse Aguirre.

Milicianos cristãos, enquanto isso, dizem que estão apenas respondendo a ataques contra cristãos por militantes muçulmanos no norte do país.

Os militantes da Seleka estão indo de porta em porta assassinando cristãos e destruindo Bíblias no norte do país, e ninguém fala sobre isso“, disse Francis Paguere, líder da milícia em Bangui, ao Serviço de Notícias Religiosas. “Quem tem protegido os cristãos? Ninguém, incluindo os imãs, não saíram para condenar as mortes”.

Os militantes muçulmanos merecem punição, ele disse.

Leia também!  Extremistas muçulmanos estupram irmã de pastor

“É a guerra que eles mesmos começaram e eles devem estar prontos para lutar“, disse ele. “Eles não devem ser protegidos por ninguém, incluindo os líderes da igreja, porque eles estão matando nosso povo.”

Alguns imames têm clamado por harmonia, liberando uma declaração em junho de 2018, lembrando a seus fiéis que a liberdade de culto “era garantida pela Constituição”.

“Os atos de violência que vêm ocorrendo há algum tempo na África Central visam transformar a crise política em uma crise confessional“, disse o comunicado.

Aguirre disse que a crise só pode ser resolvida com a redução das barreiras entre o islamismo e o cristianismo. “Não existe um muçulmano ou uma pessoa cristã“, disse ele à BBC. “Todo mundo é um ser humano e precisamos proteger todos que são vulneráveis”.

Abdoulaye e outros presos na catedral de Bangassou precisam de uma solução mais rápida.

“Não é seguro aqui“, disse ele. “O governo deveria nos realocar“.

Ainda assim, Abdoulaye disse que estava grato pela ajuda que recebeu.

“Agradecemos aos líderes da igreja (por) nos apoiarem. Nós pedimos que outros cristãos sejam como eles e parem de atacar os muçulmanos. Precisamos viver em paz.”

por: Doreen Ajiambo é uma jornalista multimídia radicada em Nairóbi, Quênia. Ela cobre histórias da África Oriental e além, para vários pontos de venda na Europa.

Traduzido e adaptado por: Thiago Dearo

Portal Padom

Deixe sua opinião