Formigueiro aonde o corpo de Saban Sajabi foi encontrado em Kabula, Uganda. (Morning Star News)
Formigueiro aonde o corpo de Saban Sajabi foi encontrado em Kabula, Uganda. (Morning Star News)

Parentes muçulmanos de um ex-professor islâmico em Uganda que se tornou cristão armaram uma armadilha para ele no mês passado, contratando assassinos para enterrá-lo vivo em um grande formigueiro, disseram as fontes.

Saban Sajabi, 32, ganhou fama como xeque itinerante, ensinando o Islã em várias mesquitas e escolas no leste de Uganda, antes que um tio o levasse à fé em Cristo em 2015. Com familiares o ameaçando, ele deixou sua esposa e filho muçulmanos e fugiu para Jinja naquele ano.

Ele recebeu mais ameaças após se casar com Sarah Birungi, uma cristã, em 2016, com as advertências continuando este ano. Uma fonte disse que uma das últimas mensagens de texto que recebeu de um parente dizia: “Se algo acontecer com você, esteja informado de que não iremos ajudá-lo, especialmente neste momento do COVID-19. Nosso conselho é que você volte ao Islã, a religião da família.”

Birungi disse que Sajabi no dia 14 de julho recebeu um telefonema de um parente dizendo que o tio que o levou a Cristo, Shadrach Hasakya, estava sofrendo de uma doença grave. Sajabi visitava Hasakya regularmente nos feriados enquanto crescia, e seu tio pagou por sua educação secundária, disse Birungi.

“Sem perder tempo, deixamos Jinja imediatamente, deixando para trás nossos filhos de 6 e 2 anos sob os cuidados da empregada doméstica”, disse ela.

Sajabi continuou recebendo ligações do parente enquanto se dirigiam para Kabula (uma aldeia mais nova perto de Iganga, não a cidade de Kabula, no oeste de Uganda), disse ela. Chegando por volta das 20h, eles foram calorosamente recebidos por motoristas de táxi motorizados que se ofereceram para levá-los à casa de Hasakya em Kabula, disse Birungi. Ela acrescentou que Sajabi tentou ligar de volta para o parente que ligou para ele, mas seu telefone estava desligado.

Eles pagaram por um motociclista para levá-los até a casa do tio e, ao chegar a um pântano, o que carregava Sajabi disse que ficou sem combustível, disse ela. Eles continuaram por mais 100 metros, empurrando a motocicleta sem combustível, até chegarem à casa de um dos vizinhos de Hasaka em Kabula, perto da cidade de Iganga, disse Birungi.

“Imediatamente duas motocicletas chegaram carregando três homens cada”, disse ela ao Morning Star News. “Eles começaram a espancar meu marido e então o arrastaram para um formigueiro próximo, cavaram nele e enfiaram sua cabeça para dentro, e ele deu seu último suspiro.”

Durante o ataque, um dos agressores cobriu a boca dela e avisou que também a matariam se ela gritasse por socorro, disse ela.

“O que você testemunhou acontecendo com seu marido hoje é a desobediência de seu marido não acatar o conselho dado pela família de que ele deveria retornar ao Islã, já que o Islã não pode tolerar infiéis”, disse um dos agressores a ela.

Os assassinos mais tarde cortaram o pescoço do corpo, disse ela.

Depois que eles a soltaram, ela correu para uma casa a cerca de 100 metros de distância e bateu na porta.

“Eu disse a eles que meu marido tinha acabado de ser massacrado”, disse Birungi. “Eles temeram sair, mas deram um alarme e muitas pessoas chegaram.”

Na manhã seguinte, o corpo de seu marido foi levado para um necrotério.

Birungi foi hospitalizada por depressão e trauma por 18 dias em um hospital em Jinja, disse ela. Quando ela foi libertada em 2 de agosto, ela soube que os parentes muçulmanos de Sajabi haviam se recusado a lhe dar um funeral e que Hasakya o havia enterrado.

“Nosso pastor tem sido muito útil”, disse Birungi ao Morning Star News. “Desde que recebi alta do hospital, tenho passado noites sem dormir. Os médicos recomendaram aconselhamento para traumas para mim. Meus dois filhos sempre perguntam o paradeiro do pai. Por favor, ore por mim e meus dois filhos.”

Uma fonte da região disse que Birungi teme que ela e seus filhos possam ser mortos.

“Ela se lembra vividamente das advertências que recebeu após o assassinato de seu marido e não conseguiu esconder as lágrimas do rosto enquanto escorriam por suas bochechas”, disse a fonte.

A polícia não tomou nenhuma atitude em relação ao assassinato, disse a fonte.

Antes de se tornar cristão, Sajabi estudou dois anos no Instituto Islâmico Noor em Mbale e ensinou em escolas islâmicas em Kaluba, Mayuge, Iganga e Namutumba. Ele colocou sua fé em Cristo depois de uma visita de dois dias com seu tio em 2015 e disse a seu irmão sobre isso ao voltar para casa. O irmão contou ao pai, e Sajabi inicialmente fugiu para a casa de seu tio depois de ver como seu pai e irmãos estavam furiosos por ele ter deixado o Islã.

O ataque horrível foi o mais recente de muitos casos de perseguição aos cristãos em Uganda que o Morning Star News documentou.

A constituição de Uganda e outras leis preveem a liberdade religiosa, incluindo o direito de propagar a própria fé e converter de uma fé para outra. Os muçulmanos representam não mais do que 12% da população de Uganda, com altas concentrações nas áreas orientais do país.

Deixe sua opinião