Zhou Jinxia tenta evangelizar presidente da China através de cartaz
Zhou Jinxia tenta evangelizar presidente da China através de cartaz

Uma cristã chinesa foi presa por oficiais do departamento de segurança pública e detida criminalmente depois de tentar compartilhar o evangelho com o presidente Xi Jinping.

A China Aid relata que, no dia 15 de março, Zhou Jinxia, ??uma cristã que viajou de Dalian para Pequim, chegou ao portão da frente do antigo jardim imperial de Zhongnanhai, segurando uma placa que dizia: “Deus ama as pessoas do mundo e está chamando Xi Jinping”.

Seu objetivo, era chegar a Xi enquanto o Congresso Nacional do Povo (NPC) e a Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC) se reuniam.

No entanto, pouco tempo depois, o diretor da Delegacia de Polícia de Huanghe Street, com sede em Dalian, trouxe-a embora e ela foi levada de volta à sua cidade natal durante a noite. No dia seguinte, a Seção Xigang da Secretaria Municipal de Segurança Pública de Dalian a deteve criminalmente.

Dias antes, sua amiga ligou para informá-la de que a polícia a acusou de ser uma suspeita em geral e que estava procurando por ela.

Esta não é a primeira vez que Zhou ficou sob o fogo por seu zelo religioso; A China Aid relata ela que viajou a Zhongnanhai dezenas de vezes nos últimos anos para divulgar o Evangelho e foi detida diversas vezes por isso.

Em 2016, a mulher cristã passou 10 dias em detenção administrativa depois de outra visita a Zhongnanhai, onde segurava um cartaz que dizia: “Deus ama as pessoas do mundo e está chamando Xi Jinping e a esposa de Xi, Peng Liyuan. O ateísmo nutre pecado e derruba o povo. O reino dos céus está próximo; você deve se arrepender.” A polícia chamou esse ato de “ordem social perturbadora” e confiscou seus materiais.

No ano passado, Zhou e outro cristão de Anhui, Shi Xinhong, foram ao Grande Salão do Povo em Pequim e tentaram pregar aos participantes do encontro do NPC e do CCPPC daquele ano. Ambos receberam a acusação de “causar brigas e provocar problemas” e foram detidos criminalmente.

No entanto, a China Aid adverte que, devido ao Regulamento de Assuntos Religiosos da China, que entrou em vigor em fevereiro, o mais recente incidente pode resultar em Zhou ser processada pelas autoridades.

Os regulamentos, que definem o quadro administrativo em torno de atividades religiosas, têm o objetivo declarado de “proteger a liberdade de crença religiosa dos cidadãos“.

“A manutenção dos assuntos religiosos deve persistir em um princípio de manter a legalidade, reprimir a ilegalidade, bloquear o extremismo, resistir à infiltração e atacar o crime”, dizem os regulamentos.

“Qualquer grupo ou indivíduo não deve criar conflito ou disputa entre diferentes religiões, com uma única religião ou entre indivíduos religiosos e não-religiosos”, dizem eles.

De acordo com a Reuters, multas por quebrar as regras também foram aumentadas na nova versão e os organizadores de eventos não aprovados podem agora estar sujeitos a multas de 100.000 a 300.000 yuan, em vez dos anteriores 1 a 3 vezes o valor gasto no evento.

O ministério cristão que companha a igreja perseguida, Portas Abertas dos EUA, classificou a China em sua lista de 50 países, onde os cristãos enfrentam mais perseguição.

Uma fonte primária de perseguição, diz o Portas Abertas, é o governo comunista.

“Os cristãos, em particular, são cercados pelas autoridades, pois são a maior força social da China que não é controlada pelo Estado“, observa o órgão.

Portal Padom

Deixe sua opinião