Coronavac – Fabricante da vacina admite ainda não ter dados sobre sua eficácia

A vacina no combate ao coronavírus Covid-19 da fabricante chinesa de vacinas Sinovac Biotech Ltd. criou anticorpos entre 97% daqueles que receberam a vacina em um teste de estágio final na Indonésia, mas sua eficácia ainda não foi determinada, disse um porta-voz da empresa na terça-feira.

O governador paulista João Doria tem feito forte pressão para vender ao Ministério da Saúde a vacina do laboratório chinês Sinovac, por meio do instituto Butantan, alegando inclusive sua “eficácia”.

Mas Doria poderia solicitar explicações ao dono do laboratório Sinovac, Yin Weidong, cuja empresa admitiu à agência de notícias Bloomberg não dispor de dados sobre a eficácia da vacina, rebatizada no Brasil de “Coronavac”.

A vacina no combate ao coronavírus Covid-19 da fabricante chinesa de vacinas Sinovac Biotech Ltd. criou anticorpos entre 97% daqueles que receberam a vacina em um teste de estágio final na Indonésia, mas sua eficácia ainda não foi determinada, disse um porta-voz da empresa na terça-feira.

O esclarecimento veio depois que o parceiro indonésio de Sinovac, PT Bio Farma, disse que a vacina tinha se mostrado 97% eficaz nos primeiros testes clínicos lá. Quando questionada sobre a resposta de Sinovac, a Bio Farma se absteve de concordar e, em vez disso, disse que a taxa final de eficácia só será concluída em janeiro.

Sinovac disse que o número de 97% se refere à taxa de soroconversão, que é separada da eficácia da vacina, pois uma alta taxa de soroconversão não significa necessariamente que a vacina protege efetivamente as pessoas contra a Covid-19.

A empresa sediada em Pequim e seus parceiros ainda estão analisando os dados de seu maior ensaio de Fase III no Brasil, onde esperam obter uma indicação da eficácia da injeção com base em cerca de 60 casos Covid-19, disse o porta-voz .

Ao contrário dos pioneiros ocidentais, nenhum dos principais desenvolvedores de vacinas chinesas divulgou dados publicamente sobre a eficácia de suas vacinas nos ensaios de Fase III, tornando difícil comparar suas vacinas com outras, ou estimar a rapidez com que provavelmente receberão a aprovação geral usar.

Líder de vacinas da China pretende derrotar Covid à moda antiga

Ainda assim, doses já foram administradas a centenas de milhares de pessoas localmente sob o programa de uso emergencial da China. Isso aumentou a preocupação entre os cientistas sobre os riscos potenciais do uso de tiros onde a segurança ainda não foi completamente estudada.

A Pfizer Inc. disse no mês passado que a injeção que ela co-desenvolveu com a BioNTech SE tem uma taxa de proteção de mais de 90%. Este alto nível de eficácia também foi visto nas fotos da Moderna Inc., que usam uma tecnologia de mRNA semelhante. A vacina da AstraZeneca Plc, um vetor viral desenvolvido com a Universidade de Oxford, impediu uma média de 70% dos participantes de adoecerem, mostrou uma análise inicial.

A vacina de Sinovac depende de uma versão inativa do novo coronavírus para ensinar o sistema imunológico humano a reconhecer e destruir o verdadeiro. É um método amplamente utilizado em vacinas contra muitas outras doenças, como hepatite, gripe e poliomielite.

Embora os números extraordinários publicados pelas vacinas experimentais de mRNA sejam difíceis de replicar, os reguladores de medicamentos e a Organização Mundial da Saúde ainda consideram uma vacina viável se puder proteger pelo menos 50% das pessoas contra o Covid-19.

Deixe sua opinião