Conventos usam as redes sociais para recrutar novas freiras

0
478

Noticias Gospel  – Diversas Ordens Religiosas Católicas na Espanha, começaram a utilizar a Internet para atrair novas noviças,  pois cada dia mais diminui o número de mulheres que desejam tornar-se freiras.

Cada vez mais os conventos se dirigem ao Facebook, Twitter, WhatsApp e outros meios de comunicação em um esforço para reverter as estatísticas preocupantes, pois em geral estão enfrentando uma luta inglória: seus números caíram de 6.695 em 1966 para quase 250 hoje.

www.buscoalgomas.com - Looking for something else?“O site serve como um intermediário entre as ordens religiosas e os jovens”, disse ao ‘The Guardian’, Noemi Saiz, que serviu como freira durante um ano, antes de decidir que ela não tem o que é preciso. “As instituições religiosas precisam aprender sobre marketing.”, hoje Saiz é um recrutadora online.

Os conventos estão aprendendo rápido e alguns já pediram conselhos sobre otimização em motores de busca, com o objetivo de elevar no Google, as pesquisas do tipo “Como tornar-se uma freira.”

Desde que Olga María, a prioresa do convento das Carmelitas Descalças em Valladolid, pediu permissão a Roma em 2012 para usar as redes sociais para o recrutamento, o convento tem agora mais de 200.000 visitas em seu site, mais de 8.000 ‘Curtir’ no Facebook e 461 seguidores no Twitter. Além de uma conta do WhatsApp para responder ospedidos de informação das mulheres. O convento tem crescido de 18 a 30 freiras e a idade média caiu para 35.

Entre as mais recentes noviças encontra-se uma boxeadora que ia alistar-se no exército, uma engenheira que recusou um bom emprego e uma guitarrista de heavy metal.

Em Mallorca, Xiskya Valladares da iMisión, um projeto de pregação na Web, tem recebido o apelido de “freira twittteira ‘e tem cerca de 25.000 seguidores no Twitter.

“Devemos ter contato com a realidade, escutar as pessoas que sofrem e estar nas periferias, tanto existenciais como materiais“. Como já disse o papa Francisco: “O pastor deve cheirar como ovelha”, explica a religiosa.

Portal Padom

Deixe sua opinião