Ao vermos Robert Skinner e Tia Harding, é evidente que o amor esta no ar. Depois de um ano de namoro o casal cristão está planejando seu casamento. Eles têm grandes esperanças para um casamento amoroso e duradouro.

“Se colocarmos Deus em primeiro lugar em tudo, ele vai guiar o nosso caminho, porque os passos de um homem bom são ordenados por ele”, comenta Skinner.

Para Tia mais importante é se comunicar com Deus e depois com seu marido, então se você mantiver a comunicação no casamento não deve se preocupar com o divórcio.

Para a maioria dos casais que se casam não conseguem pensar na separação ou divórcio. Mas após o casamento, quando vivem a realidade, o que faz a diferença entre os casais dispostos a passar sobre as dificuldades e aqueles que se rendem?

Com três filhos e vinte e oito anos de casados, o casamento de Ron e Gwenn Bergold  permanece forte. “Devem ter o compromisso de amar e não é uma emoção, não é um sentimento, é um compromisso durante todo o matrimonio.”, diz Ron.

Gwenn concorda, mas admite que nem sempre tem sido fácil. “Quando ficamos com raiva eu tenho que pensar o melhor para ele, não só para mim. Eu venci meu egoísmo e pensar, como posso ajudár Ron, o que seria melhor para ele e para nós dois.”

O que fazer quando os casais que sentem que estão “perdendo o amor” logo após o casamento? A doutora Jennifer Ripley, uma especialista em casamentos da Regent University, encoraja os recém-casados que sejam pacientes com o processo e com o outro.

“Todos chegam o momento de perguntar-se, seja cinco dias, cinco meses ou cinco anos depois de casado, o que devo fazer? O que devo estar fazendo aqui? esse é o momento quando Deus nos leva do período da lua de mel, quando é bonito, ao ponto de termos de desenvolver um caráter mais profundo”, explica Ripley.

Ela identifica quatro conceitos no desenvolvimento do caráter: Pacto (porque que Deus define o casamento), Compromisso, Comunicação e Confissão.

Segundo a doutora existe casais que estão casados a 50 ou 60 anos e tem passado muitas experiências, mas se mantiveram fieis ao outro. Tem dado prioridade à relação como um pacto, se comunicando bem, e tratando com amor, confessando suas falhas, perdoando e logo se reconectam com o outro.

As pesquisas tem mostrado que os casais que consideram sagrados seus votos, são mais propensos a permanecer casado, e isso confirma a ideia do casamento como uma aliança não um contrato feito de ânimo leve.

Roy e Izola Jones pensavam assim quando disseram: “Aceito”, há 42 anos. “Penso nas coisas que dissemos no dia do casamento e vemos quão significativas tem sido, tem sido as regras para vivermos nossa vida.” afirma Roy.

Izola pensa no momento em que ela o aceitou e que não deve tratar de mudar o seu conceito de como deve ser um esposo “Em vez disso, devemos amar, respeitar e aceitar e até mesmo perdoar às vezes.”

As pesquisas também indicaram que a amizade entre os cônjuges é util. Isto é evidente quando se fala de Roy e Izola. “Nós éramos amigos em primeiro lugar e que a amizade nos sustentou até que pudéssemos aprender alguma coisa e começou a amadurecer“, diz Izola.

Enquanto isso, poucas semanas antes do casamento de Tia e Robert. Eles reconhecem que têm muito a aprender sobre o casamento, mas estão prontos para fazer essa viagem juntos.

“Nós não somos perfeitos, sempre temos falhas, altos e baixos, mas estamos dispostos a resolvê-los”, diz Tia

Portal Padom

Com informações noticias cristianas

Deixe sua opinião