Um grupo de cientistas britânicos planeja preservar em um laboratório o DNA de milhares de especiais animais e vegetais que possam desaparecer nos próximos 30 anos.

O projeto chamado de ‘Frozen Ark’ (Arca Congelada), foi desenvolvido por cientistas da Universidade de Nottingham, do Instituto Zoológico e do Museu de Historia Natural de Londres.

Trata-se de um banco biológico que conservará em 80 graus abaixo de zero, células tronco de 1.130 classes de mamíferos e 1.183 de aves, alem de sementes de plantas e árvores, que segundo os cientistas acreditam estarem extinto nos próximos 30 anos.

“Apesar dos esforços para preservar o meio ambiente, o crescimento da população humana tem levado à destruição do habitat, devido à necessidade de terras agrícolas, pesca predatória e a poluição dos oceanos, e como resposta a esta crise esta sendo criado a ‘Frozen Ark “, dizem os responsáveis pelo projeto inovador.

Segundo eles o objetivo, é simples: manter amostras de células congeladas contendo DNA de animais em extinção antes que eles desapareçam.

Eles notaram que uma vez congeladas, as células podem ser armazenados de forma segura durante centenas de anos, em um espaço pequeno.

Os criadores desta versão moderna da Arca de Noé, afirmam que já contataram com 22 zoológicos e vários aquários, museus e centros de investigação em 8 países. Eles colaboraram durante vários anos doando amostras de DNA que são congeladas e que num futuro próximo poderão ajudar a reproduzir artificialmente espécies em extinção. E com essas ressalvas, os pesquisadores dizem que eles podem estudar o desenvolvimento, comportamento e evolução das espécies.

Portal Padom

Deixe sua opinião