“Deixe seus descendentes tornarem-se,  grandes políticos como José e Daniel”, exortou Jin, referindo-se a figuras do Antigo Testamento que superou os desafios para se tornar líderes políticos.

China – O pastor Jin Mingri da Igreja Clandestina  Zion “Sião” , de 800 membros, em Pequim, num domingo recente,  propôs uma visão para aos cristãos chineses muito diferente das do governo Comunista sobre a religião em geral.

“Deixe seus descendentes tornarem-se grandes políticos como José e Daniel”, exortou Jin, referindo-se a figuras do Antigo Testamento que superou os desafios para se tornarem líderes políticos. “Deixe-os que influenciam o futuro deste país”, disse o pastor em um de seus muitos sermões.

Jin pertence a um grupo crescente de líderes protestantes que estão desafiando o rígido controle do governo chinês sobre a religião em uma luta árdua que vai largamente despercebida pelo mundo exterior. Pela primeira vez igreja chinesa ilegal, que tem aproximadamente dezenas de milhões de membros, está fazendo um esforço unificado e cada vez mais organizado para obterem o reconhecimento legal.

O governo, temendo que a fé em Deus possa minar a força do partido, está redobrando seus esforços contra as igrejas e as redes que as unem.

A luta está se tornando mais tenso com o impasse ligado à liberdade religiosa na China desde a repressão brutal dos seguidores da disciplina de Falun Gong 1999, depois que eles fizeram pedidos semelhantes de aceitação oficial, dizem os especialistas.

Em abril, as autoridades expulsaram da locação a Igreja Shouwang, uma das mais populares congregações clandestinas de Pequim, com cerca de mil membros.  Em resposta, 17 líderes das igrejas clandestinas, em toda a China fizeram seu primeiro pedido ao governo em um ato sem precedentes de desafio, procurando reformar as leis que regem a religião. A polícia também prendeu outros líderes da igreja, incluindo um pastor popular de Jiangsu, em julho, foi condenado a dois anos em num campo de trabalho forçado, por organizar reuniões religiosas proibidas.

“A situação está ficando fora de controle”, disse Yang Fengang, diretor do Centro de Religião e Sociedade da China Purdue University.

 

Oremos pela liberdade religiosa de nossos irmãos chineses

 

Fonte: Portal Padom

Com Informações Noticias Cristiana

Deixe sua opinião