Um membro da Igreja do Deus Todo-Poderoso (CAG) – o movimento religioso mais perseguido na China – agora com 30 anos, foi condenado a cinco anos de prisão em 2014. Acusada de “usar uma organização xie jiao para minar a aplicação da lei” apenas por sua crença, ela cumpriu pena em uma prisão feminina no noroeste da China.

A mulher lembrou que um guarda lhe disse logo depois que ela chegou que a oficina da prisão de que ela estava encarregada de fornecer alta produção e recebia muitas vezes tarefas de produção aumentadas.

Vendo que eu tinha uma pele forte, ele me levou para sua oficina”, lembrou a crente. “Fui designada para fazer as casas de botão. O trabalho nunca termina, a mesma coisa se repete todos os dias, meses e anos.”

Quando as empresas de produção na China enfrentam escassez de mão-de-obra, procuram ajuda nas prisões para aumentar a produção. A crente da CAG disse que a maioria dos presos que cumprem longas sentenças em seu bloco de celas foi trazida de Sichuan, Yunnan, Zhejiang e outras províncias para trabalhar nas oficinas da prisão. Segundo ela, a prisão recebeu 600 RMB (cerca de US $ 85) por cada pessoa.

A mulher lembrou-se de uma vez em que os guardas deram a cada preso em sua oficina alguns uniformes para vestir, incluindo sapatos e chapéus. Eles foram instruídos a não proferir uma palavra durante uma próxima inspeção. Supostamente, um gerente de uma empresa de roupas de Hong Kong, que suspeitava que seus produtos eram produzidos por prisioneiros, deveria vir fazer uma visita. “Por esse motivo, uma placa ‘Nenhuma entrada para prisioneiros’ foi postada na porta, o que ajudou a enganar o empresário e a retirar uma ordem considerável dele“, disse o crente da CAG.

A prisão não apenas realiza ordens de Hong Kong, Malásia e outros países, mas também faz uniformes para uso doméstico. “Os guardas não se importam muito com a qualidade dos pedidos de países estrangeiros, mas os pedidos domésticos de polícia, ferrovia e outros uniformes são particularmente rigorosos”, lembrou a mulher. “Eles frequentemente nos ensinavam que esses uniformes eram feitos para os chineses e que qualquer defeito de qualidade afetaria a imagem do país. Seríamos culpados por cada pequeno erro.

Tínhamos que trabalhar 16 horas por dia, às vezes até da noite para o dia, e ainda assim forçados a trabalhar no dia seguinte, sem descanso”, a cristã lembrou as condições de trabalho na prisão. “Estávamos com tanto sono que não pudemos deixar de cochilar. Não era incomum perfurar nossos dedos com uma agulha quando pisávamos no pedal da máquina de costura por acidente devido a fadiga. Então a mecânica usaria um alicate para puxar a agulha. Eles entravam nossos dedos feridos no óleo do motor, supostamente, para desinfetar as feridas. Apesar dos ferimentos, tivemos que continuar trabalhando.”

Os guardas costumam espancar os prisioneiros que não conseguiram acompanhar os requisitos porque não tinham habilidades ou falta de força física. “Vivi angustiada e atormentads por um longo tempo“, continuou a mulher. “Quando me disseram que meu pai estava em estado terminal, não aguentei mais e parei de trabalhar. Para me punir, o chefe do distrito penitenciário, com a ajuda de quatro guardas da prisão, cutucou um bastão elétrico no meu rosto, braços e mãos. Eu estava chorando miseravelmente quando a corrente passou pelo meu corpo.”

Como resultado de longas horas de trabalho em um ambiente fechado e pouco ventilado, a crente e seus companheiros de prisão sofreram sérios problemas médicos. A visão deles deteriorou-se consideravelmente, mas eles ainda precisavam continuar trabalhando.

Brasileiros compram em sites chineses para pagar mais barato acabam contribuindo com a prisão de cristãos

Acredita-se que o baixo preço dos produtos chineses que nós brasileiros compramos nos sites chineses, vem dessas indústrias que vivem de trabalho escravo, consequentemente ao compramos esses produtos estamos contribuindo e muito com a perseguição e prisão de cristãos na China.

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia