O embaixador da China na Austrália, Cheng Jingye, alertou na segunda-feira que a Austrália pode enfrentar um impacto econômico se insistir em investigar a origem da pandemia de coronavírus.

Em entrevista publicada na segunda-feira pela Australian Financial Review, o embaixador chamou a iniciativa de Canberra de lançar uma investigação independente como “perigosa” e disse que isso pode desencadear um boicote por consumidores chineses que não poderão viajar ou estudar na Austrália ou comprar grandes exportações que incluem carne e vinho. 

“Recorrer à suspeita, recriminação ou divisão em um momento tão crítico só poderia minar os esforços globais para combater essa pandemia”, disse Cheng, observando ainda que, se a investigação continuar, “as pessoas vão se perguntar se vale a pena para um país que não é tão amigável com a China quanto parece. ” 

Essas declarações vêm depois que o primeiro-ministro australiano Scott Morrison e a ministra das Relações Exteriores Marise Payne aderiram ao pedido dos EUA na semana passada para iniciar uma investigação independente sobre “as origens e a disseminação da pandemia”, relata a Reuters.

Da mesma forma, Morrison buscou apoio das principais potências mundiais. No entanto, a França e o Reino Unido garantiram que este é o momento de combater o vírus e não atribuir culpa . 

O número total de pessoas infectadas com o novo coronavírus desde o início do surto ultrapassou 2,9 milhões em todo o mundo.

Até o momento, 2.994.690 infecções foram registradas, enquanto o número de mortes atingiu 207.270 em todo o mundo e as recuperadas totalizaram 875.054, de acordo com os dados mais recentes atualizados pelo Centro de Ciência e Engenharia da Universidade Johns Hopkins, que monitora estatísticas internacionalmente.

Deixe sua opinião