Parece que estamos nos aproximando de mais águas agitadas na turbulenta história de Israel.

A proposta de “anexação” do vale do Jordão pelo Estado judeu, juntamente com partes da Judeia e Samaria – também conhecida como Cisjordânia, apesar de ser o coração do antigo Israel – está fazendo com que os hackles subam novamente entre as nações.

Isso inclui a Grã-Bretanha, que insiste em seguir seu mantra de longa data do Ministério das Relações Exteriores de pressionar por uma “solução de dois estados” – mesmo que não haja nenhuma evidência de que funcione, ou que seja justificável.

Não funcionará porque os palestinos se recusam a reconhecer a existência de Israel; então, como eles coexistirão pacificamente ao lado de uma nação que desejam dirigir para o mar (como seus funcionários costumam ser citados)?

Sem dúvida, em breve estarão lançando foguetes contra seus vizinhos, assim como o Hamas vem fazendo desde que Israel saiu de Gaza em 2005, em um suposto acordo de ‘terra para paz’.

Dito isto, uma pesquisa recente sugeriu que os moradores comuns da Autoridade Palestina preferem viver sob o domínio israelense. O problema está na liderança e nos fanáticos antissemitas que eles despertam.

De qualquer forma, os palestinos não têm direito legal à terra em questão, apesar das reivindicações de Boris Johnson e outros de que os planos de anexação “representam uma violação do direito internacional”.

Cem anos atrás, em San Remo, na Itália, os poderes aliados da Primeira Guerra Mundial concordaram em conceder toda a terra do Mediterrâneo ao rio Jordão (incluindo os territórios agora disputados) ao povo judeu, incorporando assim a Declaração Balfour da Grã-Bretanha de 1917 no direito internacional.

É assim que a situação permanece; Nenhuma resolução subsequente alterou essa realidade política. O que turvou as águas foi a anexação ilegal da Jordânia desses territórios em 1948, que foi devidamente revertida por Israel em 1967, deixando a impressão de alguns que, uma vez em mãos árabes, deveriam permanecer assim. Mas Israel reconquistou o território em uma guerra defensiva que ameaçava sua própria existência.

Boris, um sionista autodeclarado, parece não querer contestar o status quo do Ministério das Relações Exteriores. Isso deve mudar, ou nossa posição como nação aos olhos de Deus será ainda mais prejudicada. Dividir a terra dada por Deus por Israel, juntamente com dispersar seu povo e recusar servi-lo, levará à ruína nacional, diz a Bíblia. (Joel 3.2, Isaías 60.12)

Já não estamos com problemas suficientes, enfrentando um colapso econômico pós-COVID em meio a um colapso geral da lei e da ordem, enquanto nossa história está sendo literalmente dividida e reescrita? Já perdemos nosso império por traições traiçoeiras com os judeus ao longo dos anos (Gn 12.3), particularmente quando milhares de pessoas que fugiam do Holocausto foram afastadas da Terra Santa, sob controle britânico.

Mas ainda temos a chance de nos redimir apoiando os planos de Israel na Judeia.

Para aqueles que questionam a conexão judaica com a terra prometida a Abraão há 4.000 anos (Gn 17:8), surgiram novas evidências arqueológicas de um assentamento judaico no vale de Elah, na época em que Davi enfrentou Golias e seu exército filisteu cerca de três milênios atrás. E escavações maciças na própria Jerusalém estão revelando a grandeza da cidade fundada pelo rei Davi durante o mesmo período.

A hostilidade atual exibida em relação ao estado judeu – especialmente a beligerância das nações vizinhas – me faz pensar se não estamos nos aproximando rapidamente do que os teólogos chamam de “70ª semana de Daniel”.

Após uma oração de intercessão apaixonada por seu povo enquanto exilado na Babilônia, o profeta Daniel previu, com grande precisão, a ascensão e queda de impérios nos próximos 500 anos, levando à morte do Messias (Dn 9:26) e à subsequente profanação de Jerusalém – um total de 69 semanas de anos, cada ‘semana’ representando sete anos.

A 70ª semana ainda está por vir, mas levará a um período de grandes tribulações, ironicamente iniciado por um tratado de paz significativo com Israel (Dn 9:27). Mas o tratado será quebrado no meio do caminho por uma figura do Anticristo que espalhará o terror mundial (veja Dn 9 e 11; também Ap 13).

A última coisa que a Grã-Bretanha precisa é alinhar-se com as nações que se opõem a Israel nestes tempos perigosos, o que poderia levar a uma gigantesca batalha no Armageddon, no norte de Israel (Ap 16:16). Quer estejamos lá ou não, o profeta Zacarias adverte sobre um tempo, quando todas as nações da terra estiverem reunidas contra Israel, quando Jerusalém se mostrará “uma rocha imóvel” e “todos que tentarem movê-la se machucarão”. (Zc 12:3)

O juiz de toda a humanidade está à porta, pronto para retornar em glória e destruir seus inimigos. O tempo está passando; o grande sinal da iminência da Segunda Vinda é a reunificação de judeus para sua terra antiga, da qual foram exilados por quase 2.000 anos, seguidos por um despertar espiritual que veria muitos reconhecerem Jesus como Messias.

Pois Deus realiza seus propósitos em dois estágios – primeiro o físico, depois o espiritual. (Jo 3:5, 1 Cor 15:46). Nascemos de carne no mundo e, então, se confiamos em Jesus, nascemos de novo do Espírito. Da mesma forma, quando morremos, retornamos ao pó da terra como uma semente perecível, apenas para ressuscitar na esteira de nosso Mestre com um corpo novo e imperecível.

A restauração de Israel no fim dos tempos, promete a Bíblia, será acompanhada por violência cada vez maior, ilegalidade e eventos de terremoto. Todos nós, incluindo políticos e pregadores, precisamos garantir que estamos prontos para a vinda dele, sobre a qual o apóstolo João escreveu: “Veja, ele está vindo com as nuvens, e todos os olhos o verão, mesmo aqueles que o perfuraram; e todos os povos da terra se lamentarão por causa dele. Assim será! Amém.” (Ap 1:7)

Shalom, Jerusalém!

Israel 7000 anos

Deixe sua opinião

WhatsApp
Entre e receba as notícias e artigos do dia