Brasileiros fazem campanha para funeral de professora assassinada

224

A polícia encontrou na segunda-feira, 22, o corpo da porto-riquenha Giselle Rodrigues, de 23 anos, em seu apartamento em Clinton, após ela ser estrangulada pelo ex-namorado que horas mais tarde também foi encontrado morto no banheiro de um hotel na Virgínia, supostamente vítima de suicídio. A comunidade brasileira ocupou os programas de rádio de Framingham para angariar fundos para o funeral da jovem que ficou popular por ajudar evangélicos a aprender inglês. “Na linha 2, quem gostaria de participar dessa campanha num momento tão triste para essa família que perdeu uma filha de 23 anos?,” pediu o radialista Leandro Luis no seu programa matinal na 650 AM. Nos sites de relacionamento onde ela mantinha páginas, amigos postaram condolências e manifestaram a surpresa. “Não posso mais acreditar que não vou te ver”, disse uma amiga.
Logo após encontrar o corpo de Giselle, a polícia iniciou uma caçada a Alex Skowran, ex-namorado da jovem que tinha um longo histórico de violência doméstica. Meses atrás, Skowran, um universitário nativo de Maryland, invadiu o apartamento da porto-riquenha, colocou cloro e detergente em vários objetos pessoais, e roubou uma caixa onde a ex-namorada guardava diversas lembranças de uma gravidez que não vingou. Ele atirou a caixa num rio.
Depois de tentar localizar Alex Skowran em várias cidades de Maryland, a polícia recebeu a denúncia de que ele estaria no hotel Comfort Inn, em Stephens, na Virgínia. Os policiais chegaram ao local e encontraram o corpo de Skowran no banheiro. Agentes acreditam que ele tenha se suicidado.
Tudo indica que o crime teve motivação passional. Giselle e Skowran namoram aproximadamente 20 meses até que desmancharam a relação no começo deste ano. O blog Brasil com Z publicou que familiares teriam afirmado que o casal retomou o namoro logo depois, mas a relação não foi adiante.
Segundo o colunista, Giselle então passou a namorar um rapaz de Dudley, mas Skowran nunca aceitou ter perdido a namorada e continuava a persegui-la.
Amigos de Giselle disseram que nos últimos meses ela dizia ter medo de Skowran que ‘sempre disse que se ela não fosse dele não seria de mais ninguém’. A cunhada de Giselle, Crystal Henning, repetiu a mesma afirmação, garantindo que “Alex fez coisas horríveis e sempre disse a ela (Giselle) que se ele não pudesse tê-la, ninguém poderia.

OJB / Padom

Deixe sua opinião