Noticias Gospel Ciência/Tecnologia ‘Black Mirror’ não é apenas sobre tecnologia. É sobre nós

‘Black Mirror’ não é apenas sobre tecnologia. É sobre nós

'Black Mirror' é atraente e convincente porque atinge perto de casa e sugere onde a casa pode estar indo em breve.

Black Mirror é uma série de televisão britânica, criada por Charlie Brooker, que estreou em 2011. Pouco depois de a Netflix ter assumiu ao show aclamado pela crítica (a quarta temporada estreou essa semana), tornou-se recentemente em uma das mais faladas sobre franquias de ficção científica. Inspirado por The Twilight Zone , Brooker descreveu o Black Mirror como tendo a combinação única de “sátira, tecnologia, absurdo e uma pitada de surpresa”.

Os revisores observaram como o show existe “entre prazer e desconforto” e é “partes iguais, maravilha e horror“. Na verdade, o Black Mirror faz um trabalho magistral exibindo detalhes perturbadores sobre como a tecnologia está moldando a sociedade. E enquanto está muito escuro e não para consumo casual, o Black Mirror é atraente e atraente porque atinge perto de casa e sugere onde a casa pode estar indo em breve.

LADO ESCURO DA TECNOLOGIA

O avanço tecnológico promete trazer vida aos sonhos, mas Black Mirror mostra vividamente que esses sonhos podem se tornar pesadelos. A tecnologia é mais neutra do que a do mal, mas é incrivelmente poderosa. Assim como o dinheiro é neutro e poderoso (o amor dele, afinal, é ” uma raiz de todos os tipos de males”, 1 Tim. 6:10 ), assim como a tecnologia. Tanto o dinheiro quanto a tecnologia têm uma linha direta para nossos desejos – bons ou ruins – e pode ser uma rodovia para abençoar ou curar.

Mas Black Mirror não é apenas sobre tecnologia. Ele usa a tecnologia como um cenário temático, mas também para “espelhar” as realidades da sociedade de hoje em um sentido maior.

“Cada episódio tem um caso diferente, uma configuração diferente, mesmo uma realidade diferente”, disse Brooker . “Mas eles são tudo sobre a forma como vivemos agora – e da maneira como podemos estar vivendo em 10 minutos se somos torpes”.

O título Black Mirror nos insere em como assistir o show. Quando nossos dispositivos são desligados, nossas telas tornam-se espelhos negros literais nos quais podemos nos ver. Tão poderosa quanto a tecnologia, o seu maior poder é a forma como ela reflete quem somos e o que escolhemos fazer. Como Brooker diz : “Não é um problema tecnológico que temos; é humano “.

Na verdade, o vilão não é tecnologia; nunca é tecnologia. O problema é um problema humano porque é um problema de pecado. A tecnologia é meramente um cúmplice. O vilão é sempre humano. O lado negro da tecnologia em Black Mirror é apenas uma extensão da escuridão dentro de nós mesmos.

CONTOS CAUTELOSOS

Tanto quanto o Black Mirror fala diretamente sobre a sociedade moderna, também é sobre o futuro próximo, a sociedade “em 10 minutos”.

A maioria dos episódios termina tristemente: com isolamento, epifanias deprimentes, famílias despedaçadas, escravidão, prisão, chantagem, adultério, morte e assassinato (o “San Junipero” da temporada 3 é a única exceção). De certa forma, o Black Mirror é como o Livro dos Juízes definido no futuro próximo, com espirais de pecado descendentes que são menos provenientes de fontes externas que internas. O aborrecimento sinistro nos juízes – “todos fizeram o que era certo aos seus próprios olhos” ( Judges 17: 6 ; 18: 1 ; 19: 1 ; 21:25 ) – poderia também servir como um resumo sinistro do abraço indiscriminado de hoje da tecnologia. Num momento em que muitos de nós cumprimentamos a inovação tecnológica com devoção quase religiosa (o último produto Apple ou Tesla, por exemplo), talvez devêssemos fazer mais cautela.

O Black Mirror nos lembra que a tecnologia revela quem somos, mas também nos muda. Nós carregamos esses dispositivos em nossas mãos, mas às vezes somos os que estão sendo moldados e moldados. Se não somos cuidadosos, a tecnologia pode nos sobre estimular, isolar-nos, escravizar-nos e fazer com que nos desviemos não só de outras pessoas, mas também de Deus. A tecnologia pode afastar o silêncio em nossas vidas. Isso pode nos distrair de cuidar das pessoas bem na nossa frente. Pode desumanizar os outros e nós mesmos. Pode criar dependências pouco saudáveis. Pode se tornar um ídolo que toma o lugar de Deus. Isso pode nos fazer esquecer quem Deus nos chamou para ser e o que Deus nos chamou para fazer.

A tecnologia revela quem somos, mas também nos muda. Nós carregamos esses dispositivos em nossas mãos, mas às vezes somos os que estão sendo moldados e moldados.

Podemos querer acreditar que o Black Mirror está muito distante da realidade, mas esses episódios trazem uma claridade sóbria para quem somos agora e o que seremos um dia.

TEOLOGIA DA SUPERAÇÃO DE TECNOLOGIA

O universo distópico em cada episódio Black Mirror dá à Brooker a liberdade de explorar tópicos difíceis. Poucas redes escolheriam um show centrado no racismo. Mas se o racismo é apresentado ” em um mundo metafórico, quase ficcional ” , então, de repente, está desarmando.

O Black Mirror aborda política, capitalismo, mídia social, propaganda, guerra, inteligência artificial, justiça criminal, privacidade, realidade virtual, imortalidade e tudo o resto. Em cada episódio autônomo, questões morais difíceis são colocadas para os personagens – e inevitavelmente para nós espectadores. A tecnologia pode ser neutra, mas as questões que ela enfrenta não são.

Como pastor da juventude, eu sei o quanto de imediato estou em contato. As perguntas que meus alunos estão perguntando e enfrentando – muitas vezes criadas por novas tecnologias – são implacáveis ??e rápidas. Mas meus alunos estão mal equipados para processar essas novas questões. É por isso que devemos ter cuidado para que a tecnologia não ultrapasse nossa teologia. Em uma sociedade que evolui tecnicamente, não devemos consumir com atenção, mas sabiamente, lutar. Agradeço aos autores que fornecem recursos para equipar os cristãos para percorrer essas questões morais, espirituais e tecnológicas.

Em uma sociedade que evolui tecnicamente, não devemos consumir com atenção, mas sabiamente, lutar.

As perguntas difíceis são melhor tratadas não individualmente, mas na comunidade. Precisamos de outros pastores, teólogos, políticos, professores, estudantes, atletas, artistas, corporações e programas de TV para nos ajudar a descobrir tudo. Não podemos antecipar todos os cenários ou prever todas as consequências negativas que enfrentaremos, mas o Black Mirror nos ajuda a pensar.

TECNOLOGIA COMO AJUDA E UM HORROR

Tão horrível e maravilhoso quanto possível, Tim Keller nos lembra que “a tecnologia é mandada à raça humana pela Bíblia”. Deus chama a humanidade a subjugar a Terra em Gênesis 1 , e ele fornece tecnologia como meio para cumprir seu comando.

A tecnologia fez maravilhas no mundo. A roda e o automóvel nos deram mobilidade. A imprensa e a internet nos deram educação acessível. Os smartphones e as mídias sociais nos deram ferramentas para se conectar. A tecnologia nos abençoou para ser mais eficaz, eficiente, produtivo e influente.

Devemos continuar a usar a tecnologia – computadores, projetores, sites, vídeos, podcasts, mídias sociais, aplicativos e qualquer outra coisa a seguir – para amar a igreja e alcançar a perda. Mas, à medida que usamos a tecnologia, não possamos ignorar seus horrores potenciais.

Black Mirror não é um show para binge watch, se você optar por assistir tudo. Em vez disso, é um show para digerir lentamente, ponderando não apenas o que mostra sobre um mundo próximo do futuro, mas o que reflete sobre nós.

Nota dos editores: alguns episódios do Black Mirror contêm conteúdo explícito (linguagem, violência e nudez) e temas maduros. Observar com cuidado e discernimento aconselhados.

 

Deixe sua opinião