Os bebês ainda não nascidos podem sentir dor antes de chegar às 24 semanas, dizem os cientistas – o que significa que eles podem sofrer ao serem abortados.

Até agora, o consenso da opinião médica era de que os fetos não podiam sentir dor antes das 24 semanas de gestação, após as quais o aborto é ilegal na Grã-Bretanha, exceto em casos especiais.

Mas dois pesquisadores médicos, incluindo um especialista em dor britânico ‘pró-escolha’, que costumava pensar que não havia chance de os fetos sentirem dor tão cedo, dizem que estudos recentes sugerem fortemente que a suposição está incorreta.

Os estudos indicam que os bebês ainda não nascidos podem sentir ‘algo como dor’ já em 13 semanas, dizem eles.

As mulheres que fazem abortos que atingiram esse estágio da gravidez devem ser informadas de que o feto pode sentir dor ao ser interrompido, argumenta ele. E a equipe médica deve perguntar se a mulher deseja que ele receba alívio da dor.

Para continuar, independentemente de novas evidências “flertam com imprudência moral”, eles escrevem no influente Journal of Medical Ethics.

Ontem à noite, os anti-abortistas disseram que as alegações dos cientistas deveriam mudar as atitudes em relação ao aborto e sua prática – sugestões que foram rapidamente rejeitadas pelo maior provedor de aborto do país, o British Pregnancy Advisory Service.

O principal autor do polêmico artigo é o professor britânico Stuart Derbyshire, que atuou como consultor do Pró-escolha Fórum no Reino Unido e da Planned Parenthood, uma organização americana pro-Escolha.

Em 2006, Derbyshire escreveu no British Medical Journal que evitar falar com mulheres grávidas considerando o aborto sobre possíveis dores aos seus nascituros era “uma política sólida baseada em boas evidências de que os fetos não podem sentir dor”. Isso, no entanto, não é mais o caso.

Agora, segundo o pesquisador principal do estudo, “boas evidências” sugerem que o cérebro e os sistemas nervosos são desenvolvidos o suficiente para que um feto sinta dor muito cedo no desenvolvimento.

Depois de ler a nova pesquisa, a advogada pró-vida Lila Rose, fundadora do grupo anti-aborto Live Action, disse que é “hora de erradicar completamente” o aborto.

Além disso, o Dr. Anthony McCarthy, da Sociedade para a Proteção das Crianças por Nascer, disse ao Daily Mail: “Uma sociedade que alega levar a sério a dor dos animais não deve encolher ao enfrentar a dor infligida aos jovens bebês em nome da ‘escolha'” “.

“Tornar a morte indolor para o morto não significa, contudo, que tirar a vida seja justificado”, acrescentou.

Os resultados da pesquisa conduzida por Derbyshire e Bockmann são significativos, já que os abortos posteriores (até 24 semanas de gravidez) são frequentemente defendidos com o argumento de que os bebês ainda não nascidos não sentem dor até a segunda parte do segundo trimestre. Se as informações reveladas por este novo estudo forem corroboradas, os resultados podem levar ao aumento das restrições ao aborto.

Deixe sua opinião