Autoridades chinesas pressionam donos de imóveis a cancelar contrato com igrejas cristãs

Autoridades do governo chinês estão obrigando aos proprietários de imóveis que cancelem seus contratos com as igrejas cristãs, com o intuito de minguar o cristianismo no país.

0
187

Duas igrejas domiciliares em Pequim relataram que as autoridades no mês de maio investigaram algumas igrejas e pressionaram os proprietários de imóveis a cancelar os aluguéis em locais de culto.

Uma das igrejas que escolheu permanecer anônima, embora um membro desta igreja chamado Yin tenha dito que no domingo, 6 de maio, o líder da brigada de segurança nacional do Departamento de Segurança Pública do Distrito de Xicheng trouxe uma equipe de vários oficiais do governo ao culto da igreja. Embora o culto não tenha sido interrompido, os funcionários tiraram fotos e investigaram os procedimentos. Em 8 de maio, a brigada de segurança nacional pressionou o proprietário do prédio da igreja a revogar seu contrato.

“A polícia nos ligou hoje”, disse Yin, “e nos proibiu de organizar atividades religiosas de qualquer forma. De manhã, o governo obrigou o irmão [cristão] que alugou o prédio a assinar uma carta garantindo que ele não participaria de nenhuma atividade religiosa. Nós ainda não nos encontramos com nenhum representante do escritório de assuntos religiosos, e não sabemos como lidar com tudo isso.

Outro membro da igreja disse que a delegacia local disse que deixaria a igreja só se a igreja se reunisse fora de sua jurisdição, mas os membros da igreja temem que a mudança para um distrito diferente simplesmente acarrete perseguição das autoridades na nova área.

Xu Yonghai, um ancião da Holy Love Fellowship falou com o repórter da ChinaAid no dia 9 de maio, explicando como sua igreja também passou por uma crescente pressão da polícia. “Nos últimos dias, nossa liberdade de religião foi ainda mais violada. Nossas atividades normais foram interrompidas. Por exemplo, nos reunimos para um estudo bíblico na sexta-feira, 20 de abril. Em 19 de abril, a polícia apareceu em minha casa e me perguntou: ‘Quem vai participar da reunião amanhã? Haverá repórteres?’ Alguns repórteres visitam nossa igreja com frequência e participam das sessões de estudo da Bíblia. Dois repórteres planejaram ir em 20 de abril”.

Depois dessa entrevista com a polícia, os dois repórteres chegaram ao prédio de Xu e encontraram policiais e autoridades do comitê de bairro. Por causa de todas as autoridades, um dos repórteres ligou e disse que não iria mais. Xu o convidou a voltar em outra sexta-feira.

“Temos um longo caminho a percorrer antes de obter a verdadeira liberdade de religião”, disse Xu. “Agora, só podemos nos reunir em nossas próprias casas. Está ficando cada vez mais difícil para nós alugar imóveis e organizar eventos maiores. Para não mencionar, o governo continua pressionando os proprietários que alugavam para as igrejas. O espaço da liberdade está se estreitando.”

Xu continuou dizendo que a Holy Love Fellowship tinha sofrido perseguição das autoridades no passado, e eles continuariam a persistir. Em janeiro de 2014, as autoridades detiveram 13 membros da igreja por “se reunirem ilegalmente” e foram resgatados um mês depois. Outros sete membros foram detidos por “usar cultos malignos para atrapalhar a aplicação da lei“.

Portal Padom

Com informações de China Aid

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui