Autoridade Palestina mesmo recebendo ajuda de Israel para conter o coronavírus, continua doutrinando adultos e crianças a matar israelenses

Mesmo enquanto Israel está ajudando a salvar vidas palestinas treinando médicos palestinos e transferindo centenas de toneladas de suprimentos para combater o coronavírus Covid-19, a Autoridade Palestina não está mudando sua ideologia fundamental: assassinar israelenses está certo e deve ser comemorado, mesmo através da música e da dança.

0
89

Mesmo a crise do Coronavírus não é suficiente para fazer com que a Autoridade Palestina (PA) pare de doutrinar os palestinos de que nada supera a morte como “mártir” enquanto mata civis israelenses.

A mensagem da Autoridade Palestina para realizar atentados suicidas – mesmo especificando quais cidades israelenses devem ser alvo: Haifa e Atlit – foi repetida pelo menos quatro vezes nas últimas semanas em uma estação oficial de TV da PA, que transmitia uma música e dança que foi apresentada pela primeira vez em 2017 em um festival cultural palestino:

Prenda o cinto explosivo,
detone o primeiro em Haifa e o segundo em Atlit (cidades israelenses) …
Prenda o cinto, ó filha da minha terra,
e detone-o na frente dos inimigos.
Quão doce é o sabor do martírio,
não encontrei ninguém assim

[PA TV Live ao vivo, 26 e 29 de abril, 2 e 3 de maio de 2020]

Mesmo enquanto Israel está ajudando a salvar vidas palestinas treinando médicos palestinos e transferindo centenas de toneladas de suprimentos para combater o coronavírus Covid-19, a Autoridade Palestina não está mudando sua ideologia fundamental: assassinar israelenses está certo e deve ser comemorado, mesmo através da música e da dança.

Usando o imperativo feminino, a música encoraja especificamente as mulheres palestinas a “amarrar o cinto explosivo … os coquetéis molotov e as balas AK-47”. Ela glorifica duas mulheres-bomba pelo nome – Wafa Idris, a primeira mulher-bomba palestina e Ayyat Al-Akhras, 17 anos, a mulher-bomba palestina mais jovem – que no total matou 3 e feriu 178 em Jerusalém. A música as apresenta como modelos que estão sendo “seguidos aos milhares”:

A PMW documentou que a Autoridade Palestina continua transmitindo e tocando músicas através de sua mídia oficial e em eventos públicos que exortam os palestinos a assassinar israelenses em ataques terroristas , glorificam a morte do martírio para a “Palestina” e são feito nas crianças lavagem cerebral para que se vêem como futuras “mártires” e apenas “munição” para atacar israelenses.

Deixe sua opinião

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui