O ex-ativista LGBT Val Kalende fala sobre o renunciar publicamente à homossexualidade e sobre seu caminho de volta a Deus em 29 de julho de 2018.

JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

Uma proeminente ativista LGBT de Uganda renunciou ao seu antigo estilo de vida lésbico e agora está dizendo que a homossexualidade é um pecado.

Val Kalende, que saiu de Uganda e recebeu asilo no Canadá em 2015, depois que seu país aprovou a Lei Anti-Homossexualidade, recentemente ela declarou no “Sunday Service Live” da TV Salt de Uganda que ela não é mais lésbica e vai se casar em breve.

Anteriormente, Kalande trabalhou como repórter para o jornal diário Uganda Monitor antes de deixar o trabalho para se concentrar no ativismo LGBT em 2007. Ela se envolveu ativamente em um grupo chamado Minorias Sexuais de Uganda e viajou para os EUA para visitar vários grupos LGBT durante a presidência de Barack Obama. Ela também falou em conferências internacionais.

Mas agora, ela diz, ela foi “salva”.

“Aconteceu cerca de um ano atrás, é que tomei medidas muito cautelosas. Então fui a público ontem (domingo), estava pronta”, disse Kalende. “Eu queria ter tempo para fazer o importante trabalho em mim antes de fazer uma confissão pública”.

Em sua confissão televisionada, Kalende explicou que ela vem de uma família cristã em Kyebando e “se juntou ao lesbianismo” depois de estudar na Universidade Makerere.

“Eu nasci de pais cristãos. Todos cortaram seus laços comigo por me tornar gay. Eu me tornei órfão“, disse Kalande, segundo o The Daily Monitor.

Kalende disse que ela foi atraída por Satanás.

“Eu me tornei rebelde. Sempre nos perguntamos por que o mundo nos obrigou a nos tornar meninas que não amam homens“, ela disse. “Fomos até detidos em uma conferência e presas. Fomos detidas na Delegacia Central e até levados ao tribunal”.

“Naquele momento, eu não tinha paz de espírito. Eu às vezes desmoronava e chorava me perguntando por que estava daquela maneira“, acrescentou. “Agora estou de volta em casa e fui salva.”

Kalende também postou sobre sua transformação  em sua página no Facebook no início deste mês, fazendo a pergunta “o que deu errado?

“Como é possível que essa garota – educada na igreja, ensinada no caminho de Deus – pudesse se distanciar muito do jeito que ela foi educada? Eu lutei com essa questão por muitos anos. Eu não tinha respostas. Minha rebelião tinha me separado de Deus“, escreveu ela. “Muitas vezes eu leia minha Bíblia – particularmente as escrituras sobre homossexualidade e casamento – mas meu coração ficava endurecido. Em vez disso, fiz a Deus perguntas como: Se você quer que eu não tenha relações sexuais fora do casamento e que o casamento seja entre um homem e uma mulher, por que então eu tenho atrações do mesmo sexo?

Kalende afirmou que agora ela entende que deveria ter tido uma “abordagem” diferente em sua conversa com Deus.

“Minha abordagem deveria ter sido: Senhor, eu não tenho respostas, mas confio e acredito na sua Palavra”, continuou ela. “Sua intenção não é me prejudicar ou me impedir de aproveitar a vida. Sua intenção é preservar-me e não me dar a vida de minha escolha, mas a vida que eu mereço de acordo com o seu amor. Ajude-me a obedecer ao seu propósito. vida.

Kalende disse que o “inimigo tinha um plano para desviar e eventualmente destruir” sua identidade.

“Deus tinha um plano. Um bom plano. Pois eu não era apenas uma mulher lésbica comum e ativista gay. Eu era um mentor, líder e estudiosa”, escreveu ela. “Minhas contribuições para o movimento gay (embora eu pense nelas com profundo pesar) não foram pequenas. Vendo até onde Deus me trouxe, faz sentido agora acreditar que Deus tinha Seus olhos em mim. Ele me esperou. Ele preservou minha feminilidade Ele nunca parou de me amar. Ele me conhecia pelo nome. Ele nunca parou de me chamar de volta ao Seu propósito.”

“Que tipo de amor é esse! Que Deus traria alguém tão perdido como eu”, acrescentou. “Eu posso não ter todas as respostas, mas uma coisa é verdade. Eu sou amada.

Em última análise, Kalende afirmou que a “vitória pertence a Jesus“.

Eu sou grata a Deus pela minha família. Isso é exatamente o que eu orei naquele vôo de Toronto-Entebbe três meses atrás. Que meus parentes (familiares próximos) me recebessem com o amor que eu conheci; bênção “, escreveu ela em outro post no Facebook .

O testemunho de Kalende chamou a atenção de ativistas de ambos os lados do debate LGBT.

“Val Kalende é um exemplo incrível de que Jesus Cristo pode mudar o coração daqueles que agiram de forma inflexível contra Ele”, disse Mat Staver, fundador e presidente do Conselho de Liberdade Religiosa, baseado nos Estados Unidos, em um comunicado compartilhado com a The Christian Post. “O testemunho da sra. Kalende é como a conversão de Saul de perseguir os cristãos para depois dar seu coração e vida a Deus e se tornar Paulo. Apesar daqueles que querem negar a realidade, as pessoas podem e mudam.”

Frank Mugisha, diretor executivo de Minorias Sexuais de Uganda, disse ao Daily Monitor que ele respeita a decisão pessoal de Kalende, mas enfatizou que isso poderia “psicologicamente” impactar os membros da comunidade LGBT que estão sendo perseguidos em Uganda.

“Ela tem sido um membro muito forte e vocal da comunidade. Essa decisão afetará psicologicamente muitos membros que podem se sentir ameaçados”, argumentou. “No entanto, estou feliz que ela não está atacando a comunidade e ela desmistificou a noção de que as pessoas estão sendo pagas para se juntar à comunidade.”

Deixe sua opinião