JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

Um grupo de ateus no Quênia está solicitando o seu próprio feriado nacional, no qual eles podem proclamar que Deus não existe e realizar “desfiles sem Deus”.

A Sociedade de Ateus do Quênia divulgou um comunicado na segunda-feira em que exigiram que o governo declarasse o dia 17 de fevereiro como “Dia do Ateu”.

Não há escassez de feriados religiosos celebrados todos os anos no Quênia. O Natal, o Eid ul-Fitr, o Diwali, o Eid al-Adha, a Páscoa e o Ramadã são apenas alguns“, afirmou Daisy Siongok, vice-presidente do Quênia. “Os quenianos que não acreditam em deus ou deuses também merecem um feriado público”.

Siongok afirmou que o fato de os ateus compreenderem apenas cerca de cinco porcento da população do Quênia não é motivo para excluí-los de ter um feriado nacional próprio.

Especificamente, o grupo está pedindo a Fred Matiang’i, secretário de gabinete do Ministério do Interior do Quênia, que faça formalmente a designação do dia dos ateus.

Como a maioria dos feriados religiosos traz consigo algum tipo de significado dentro das respectivas religiões, o propósito do Dia do Ateu seria comemorar a data em que os ateus da Sociedade do Quênia se registraram oficialmente no governo. O grupo foi lançado em 17 de fevereiro de 2016.

“Vamos usar a ocasião para mostrar nossa falta de fé em Deuses, realizando desfiles sem Deus em vários países e também para aumentar a conscientização sobre o ateísmo no Quênia”, afirmou Siongok. “Acreditamos que isso promoverá a liberdade religiosa como um direito humano no Quênia e um interesse nacional estratégico, de acordo com o artigo 27 da Constituição do Quênia.”

O Artigo 27 (4) da constituição queniana explica que o “estado não deve discriminar direta ou indiretamente contra qualquer pessoa em qualquer base, incluindo raça, sexo, gravidez, estado civil, estado de saúde, origem étnica ou social, cor, idade, deficiência”. religião, consciência, crença, cultura, vestimenta, língua ou nascimento “

A declaração de Siongok conclui alegando que o governo queniano “não pode ignorar o lugar [dos] ateus no Quênia”.

“Nós merecemos tanto reconhecimento quanto as outras religiões”, afirmou ela.

A demanda do grupo ateísta vem depois que Matiang’i recentemente proclamou o dia 21 de agosto como um feriado nacional para os muçulmanos chamado eid-ul-Adha, que marca a culminação da peregrinação anual a Meca. A proclamação do líder do governo recebeu críticas de alguns muçulmanos que afirmam que o feriado deveria ser comemorado em 22 de agosto.

De acordo com o World Factbook da CIA, o Quênia é composto de cerca de 47% de cristãos protestantes, 23% de católicos, 11% de outros cristãos, 11% de muçulmanos e 2% de ateus.

O pedido do grupo ateu surge quando as primeiras palavras do hino nacional do Quênia chamam especificamente o “Deus de toda a criação” para “abençoar nossa terra e nação“.

Ateus no Quênia já haviam pressionado pela remoção de Deus das letras do hino.

“Como não-crentes, sentimos que o Hino Nacional não é representante de nós e vai contra o espírito da Constituição queniana“, disse Harrison Mumia, presidente dos ateus no Quênia, em um comunicado em 2016. “Removendo ‘Deus’ do Hino Nacional vai torná-lo inclusivo “.

Ateus nos Estados Unidos levaram esforços semelhantes para remover os termos “Em Deus Confiamos” e “Uma nação sob Deus” da moeda e da promessa de fidelidade.

Deixe sua opinião

JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗