Olhando o cônjuge como um tesouro encontrado

(Mt 13.44)

“Hoje, 22/09 é o dia do amante!”. Chamada frontal de uma página da internet. Eu nem sabia que existia esse dia.

Nossa sociedade divulga e estimula oficialmente a “pulada de cerca” na relação conjugal. Os limites da fidelidade prometida no casamento foram ultrapassados, pois para “apimentar a paixão” com o cônjuge, que diminuiu por falta de diálogo, estimula se experiências fora do rotineiro casamento.

– A paixão esfria no casamento?

– Porque tantos procuram outras paixões fora do casamento?

– É possível ser apaixonado para sempre?

– Se é, o que fazer para que essa paixão seja duradoura?

Com base na parábola do tesouro, Mt 13.44, faremos uma comparação sobre as marcas de uma paixão duradoura:

ESTÁ ESCONDIDA – Dentro de cada pessoa há um tesouro escondido a ser descoberto.

– Paul Tournier diz que somos formados por uma pessoa e uma personagem. A personagem é quem está por fora é nossa aparência, e a pessoa está no interior, são os afetos guardados de cada um. E em geral casamos com a personagem.

Quando a pessoa se revela e é acolhida, se abre mais ainda; mas se é rejeitada, se fecha em sua concha.

Nosso interior só se abrirá á alguém que o acolha com respeito e aceitação afetiva. Isso é o que a Bíblia chama de amor.

Rubem Alves citando Nietzsche em Retratos de Amor, diz que precisamos fazer uma pergunta antes de casar: “Serei capaz de conversar com o outro até o fim da vida sem enjoar?”. Porque o corpo envelhece, mesmo com os melhores tratamentos. A cintura de pilão dela, depois de alguns anos, se transforma em cintura de botijão. A barriga sarada dele, depois de muito churrasco, passa a usar a camisa KLB (Ki Lapa de Bucho). Em alguns casos, quando os sinais de mudança se toram visíveis, troca-se o cônjuge por outro 10 quilos a menos e 10 anos mais jovem. Ele conclui com Adélia Prado, que diz: “Erótica é a alma”.

A verdadeira paixão está escondida dentro da pessoa que está ao nosso lado, e só será

desnudada com o diálogo aberto e respeitoso entre o casal.

É ALEGRE – A felicidade de descobrir algo novo gera grande alegria. Gosto de filmes de caça ao tesouro como Conde Monte Cristo, Indiana Jones e Caça o Tesouro Perdido.

Fico feliz no momento em que encontram o tesouro procurado.

Nossas aventuras conjugais precisam de descobertas alegres. A mesmice da vida conjugal gera esfriamento. Existem muitos tesouros escondidos esperando que o casal o encontre.

John Gottman em Casamentos: porque uns dão certo e outros não? fala dos quatrocavaleiros do Apocalipse do casamento, que avisam quando o divórcio se aproxima.

São eles:

A Crítica que acusa –“Você sempre faz isso”. É caracterizada pela palavra você! A Solução é expressar os sentimentos sem acusar o outro;

O Desrespeito que ironiza – “Claro que você gosta de mim”. O cônjuge diz essas palavras revirando os olhos e mordendo os lábios. A Solução é buscar os valores positivos existentes do outro; A Defensividade que vitimiza – “Você nunca me elogia, nem me leva para lugar nenhum”. É marcada pela pena de si e a solução é assumir a autoestima pessoal; O Muro de Pedra que esfria – “Falar com você é como falar com uma parede”. É quando se instala a frieza, o silêncio e a ausência de lutas pela melhora da relação. A solução é derrubar esse muro através do diálogo aberto. Há mais perigo numa relação fria e silenciosa, do que na que ainda há discussões. Enquanto há briga há esperança.

Logo, uma paixão duradoura é a que investe na recuperação da alegria conjugal.

TRAÇOU UM PLANO DE AÇÃO – Para adquirir o terreno com o tesouro, aquele homem traçou um plano. Escondeu de novo o tesouro e vendeu tudo o que tinha. Sem planejamento as relações esfriam e morrem. Planejamos adquirir coisas para a casa, mas às vezes esquecemos de pensar nas pessoas que nela moram. Se coisas fizessem um casamento feliz, o príncipe Charles e a princesa Diane não teriam se separado.

Algumas sugestões de ações para manter a paixão na relação conjugal?

1- Orar juntos;

2- Ler livros sobre a relação conjugal e familiar;

3- Saírem juntos periodicamente;

4- Dialogar com o coração aberto;

5- Festejar datas especiais;

6- Use a criatividade…

“Nenhum sucesso na vida compensa o fracasso no lar”, por isso todo casal que deseja a paixão permaneça aquecida, precisa de um plano de ação.

COMPROU – O homem adquiriu o terreno com o tesouro e passou a desfrutar dele.

Casamento bom é casamento caro

O que desfrutamos ao adquirirmos o tesouro?

A confiança no outro – Pv 31.11;

Sexualidade prazerosa – A revista alemã Neus Leben, Out. 2002, publicou uma pesquisa científica informando que pessoas casadas fazem mais sexo e com maior qualidade que os solteiros; Saúde – “52% das pessoas que estão bem de saúde são bem casadas” (Globo Repórter de 08/10/10); Paz financeira – Não é ausência de problemas financeiros, mas a confiança de que, quando existe a verdadeira paixão, as crises financeiras são superadas pelo casal.

Concluo fazendo referência a Mário Quintana, que diz em sua crônica Promessas Matrimoniais, que enfatiza a maturidade dos casais. A relação apenas afetiva, erótica ou legal, não segura um casamento. A paixão dos amantes fortuitos é passageira, mas o amor comprometido e maduro é prazeroso, duradouro e verdadeiramente apaixonado.

Que nossa paixão madura seja aquecida com os valores do Senhor.

Sepal / Portal Padom

Deixe sua opinião