Melanie Phillips - “A resposta, porém, excedeu minhas próprias expectativas”.
Melanie Phillips - “A resposta, porém, excedeu minhas próprias expectativas”.

Uma proeminente colunista conservadora inglesa disse que recebeu ameaças de morte depois que criticou planos [governamentais] de introduzir materiais homossexuais em todos os assuntos do currículo das escolas da Inglaterra. Escrevendo no jornal Daily Mail desta semana, Melanie Phillips disse que ela vinha esperando uma reação, “que amplamente comprovaria a verdade do que eu havia escrito”.§
“A resposta, porém, excedeu minhas próprias expectativas”.
Melanie Phillips
Na semana passada, ela disse, “fui submetida a uma enxurrada incrivelmente brutal de ódio e incitação à violência” por meio de e-mails, a internet e a grande mídia.
“Se os grupos gays de pressão política tivessem se lançado para comprovar que o que eu disse está certo, mal poderiam ter feito um trabalho melhor”.
Phillips havia afirmado que os ativistas homossexuais estão agora tentando sufocar toda oposição pública às metas políticas deles. A reação a essa declaração, disse ela, revela uma “mentalidade totalitária” básica que está por trás da agenda homossexual. Aliás, a total incapacidade daqueles que me sujeitaram a tais abusos de perceber que eles estão, realmente, vomitando o próprio ódio, intolerância e incitação à violência dos quais eles estão acusando os outros seria cômico se não fosse tão terrível”.
Em seu artigo de 24 de janeiro intitulado “Britain’s New McCarthyites”, Phillips escreveu que os planos [governamentais] de introduzir referências às relações homossexuais em todo o currículo escolar não são nada mais do que “uma campanha apoiada pelo governo de promover a agenda gay”.
Ela apontou para os muitos casos em que a oposição dos cristãos e outros que defendem costumes sexuais tradicionais tem sido reprimida nos tribunais. “O que outrora era uma tentativa de acabar com atitudes desagradáveis para com uma pequena minoria sexual agora se tornou um tipo de intolerância ao contrário”, escreveu ela.
“Expressar o que costumava ser a norma moral da civilização ocidental é agora não só socialmente proibido, mas até transforma pessoas de honra em infratoras”.
Phillips disse: “Qual foi a resposta a esse aviso contra uma tentativa dos grupos gays de pressão política para silenciar opiniões diferentes? Uma erupção de tweets no Twitter sugerindo que eu deveria ser assassinada”.
Ela ofereceu amostras, inclusive: “Alguém poderia simplesmente fazer o favor de matar Melanie Phillips?”; “Sua baboseira homofóbica é equiparável àquilo que sai do reto de um cachorro. Mate-se sua ****”; e “atire-se no rio Tâmisa”.
Emais que ela recebeu a chamaram de “vil, venenosa e horrível mulher velha” e diziam “pessoas como você deveriam ser silenciadas por incitarem intolerância e medo. Vá e inale o cano de escape, pegue câncer, SEJA ATROPELADA POR UM TREM. Espero que sua casa ******* seja destruída a fogo”.
Phillips, que é judia, trabalha como colunista politicamente conservadora libertária para o jornal Spectator e comenta amplamente sobre Israel, a crise global da violência islâmica e mais amplamente sobre questões culturais. Em seu novo livro “The World Turned Upside Down” (O mundo virado de cabeça para baixo), Phillips denuncia a perda e difamação das convicções religiosas judaico-cristãs que “significam que o Ocidente substituiu a razão e a verdade pela ideologia e preconceito, que ele impõe segundo a inquisição secular. O resultado tem sido um tipo de insanidade em massa, à medida que verdade e mentiras, certo e errado, vítima e agressor são completamente virados de cabeça para baixo”.
“Portanto, o Ocidente está perdendo sua racionalidade e suas liberdades. Está sucumbindo a um ‘totalitarismo suave’, que não só está criando uma atmosfera feia de intolerância, mas também está minando sua capacidade de se defender da agressão islâmica”.

Noticias Pro Familia / www.padom.com.br

Deixe sua opinião