Uma obstetra americana revelou que em suas práticas de aborto, o que ela faz primeiro é cortar as cordas vocais dos fetos para que eles não gritem, declarações que foram criticadas por grupos pró-vida.

Leah Torres, que também é ginecologista, é uma conhecida ativista pró-aborto. Ele se apresenta como especialista em “planejamento familiar” e “direitos reprodutivos” em conferências realizadas em todo o mundo.

Recentemente, Torres fez algumas declarações nas redes sociais que chamaram a atenção de movimentos pró-vida no mundo. Alguns cristãos a acusaram de matar crianças por dinheiro, ao que ela respondeu, que ela interromperia a gravidez gratuitamente, sempre que necessário, de acordo com a CBN News.

Mas quando um usuário da rede social perguntou se ela não “ouvia os batimentos cardíacos de suas vítimas ecoando em sua mente”, a resposta foi chocante:

“Não. Você sabe que os fetos não podem gritar, certo? Eu corto as cordas vocais deles primeiro, para não terem essa oportunidade, caso já estejam desenvolvidos o suficiente para terem laringe”

Na mesma mensagem ela disse que não “arrancava úteros”, mas fazia “procedimentos médicos”.

As reações foram imediatas, milhares de pessoas contra o aborto responderam mostrando seu desconforto com essas declarações. Tanto foi a repercussão da nota que Torres apagou a mensagem.

Kristan Hawkins, presidente da ONG Students for Life, disse: “A mensagem revela insensibilidade e completo desprezo pela vida humana, uma marca registrada da indústria do aborto, que reflete apenas sua falta de respeito pela dignidade humana“.

Alguns líderes em favor da vida recordaram que há vários anos tem divulgado as atrocidades acometidas em clínicas de aborto que por trás de toda a conversa de “saúde pública” é revelado para ser uma engrenagem na “cultura da morte”.

Patrina Mosley, diretora da Life Culture and Women’s, disse: “Sua fria imagem é uma prova de que a indústria do aborto é a favor da morte, não só tira a vida de uma criança, mas também amortece o coração em sentir compaixão. Realidades como essa explicam porque mais e mais americanos se tornam pró-vida “, disse Mosley.

Alveda King, pastora que é a sobrinha de Martin Luther King Jr. foi incisiva, pedindo que “a igreja e a sociedade devem estar ciente de que estas práticas ocultas não são raras e são muitas vezes enraizados em antigos rituais satânicos”.

Muitos usuários do Twitter alegaram que Torres havia feito uma “piada de humor negro”, sendo apenas uma maneira sarcástica de responder ao usuário que tentou provocar remorso falando sobre ela “ouvir o coração” de suas vítimas. Para aquelas pessoas, os cristãos estavam reagindo desproporcionalmente.

Deixe sua opinião