JUNTE-SE AO NOSSO GRUPO no Telegram ou WhatsApp. Oferecemos o que há de mais relevante em notícias e conteúdo cristão 🤗

Em 2020, o mundo mudou drasticamente no início do COVID-19. As viagens foram restringidas, as pessoas foram encorajadas a ficar em casa e muitos negócios foram forçados a encerrar. Quer você sinta que a pandemia foi planejada, falsa ou verdadeiramente mortal, a maioria das pessoas foi afetada de alguma forma. Isso incluiu a igreja.

Os líderes da Igreja tiveram que fazer uma escolha crítica entre fechar, tornar-se virtual ou se reunir de maneiras não convencionais. Ao fazer isso, muitos membros da igreja se acostumaram a não precisar entrar no prédio da igreja para se sentirem espiritualmente realizados.

E agora, um ano depois, com as restrições sendo retiradas rapidamente, muitas igrejas estão percebendo que os fieis não estão mais participando dos cultos pessoais. De acordo com o Christian Post, As igrejas da SBC viram um declínio de 400.000 membros a menos desde o início do COVID-19. Outros relataram um declínio de 60% na freqüência à igreja em janeiro de 2021. Seja por medo de ficar doente, desacordo sobre o protocolo COVID da igreja ou não querer adicionar a igreja de volta à sua rotina semanal, parece que as igrejas parecem muito diferentes do que nunca.

No entanto, podemos ver que se juntar a outros crentes ainda deve ser valorizado. Embora alguns possam dizer que a igreja “está em seu coração” ou que “a igreja existe fora das quatro paredes”, ainda existem muitos aspectos da igreja local que podem ser de grande benefício para o crente.

Com isso em mente, aqui estão cinco razões para considerar o retorno à igreja:

1 – Discipulado

Aprender sobre Deus e ensinar outros a conhecer a Deus é uma parte vital da Grande Comissão encontrada em Mateus 28. Dentro da comunidade da igreja, encontramos estudos bíblicos e encontros que nos incentivam a ir mais fundo na Bíblia e em vários tópicos sobre formação espiritual. A mensagem da manhã de domingo nos dá um vislumbre disso.

No entanto, as oportunidades de falar e conversar com outra pessoa acrescentam uma camada de profundidade à nossa jornada espiritual. De acordo com Trillia Newbell , autora e ex-diretora da Community Outreach para a Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul, o discipulado tem três benefícios principais:

  • Ensina-nos humildade ao reconhecermos que precisamos receber conselhos e instruções de outras pessoas.
  • O discipulado nos une a outros crentes, pois nos ensina a convidar outras pessoas em nossas vidas.
  • O discipulado nos une a outros crentes enquanto ajudamos a ensinar outros os caminhos do Senhor.

Sem encontrar uma comunidade na qual crescer mais profundamente em nosso relacionamento com Cristo, podemos confiar apenas em nossa própria sabedoria ou perspectiva da Bíblia. Em vez disso, quando nos reunimos com outros membros da igreja, crescemos juntos, aprendemos juntos e ensinamos a verdade de Deus uns aos outros.

Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a obedecer a tudo que eu lhes ordenei. E certamente estarei com você sempre, até o fim dos tempos. ” (Mateus 28:19-20)

2 – Responsabilidade

Dentro das comunidades da igreja, os crentes podem ser responsabilizados uns pelos outros. Quando nos reunimos semanalmente, temos a oportunidade de prestar contas uns aos outros e buscar ajuda para o que pode estar nos atrapalhando espiritualmente. A responsabilidade pode vir do púlpito enquanto o pastor compartilha a mensagem da semana.

Além disso, na verdadeira comunidade da igreja, os frequentadores podem encontrar amigos com os quais podem ser vulneráveis. Assim, a cada domingo, os crentes têm a oportunidade de ser desafiados no púlpito e em relacionamentos íntimos. Como plantador de igrejas, tenho visto lindas amizades profundamente enraizadas florescerem com aqueles que optaram por se conectar e ver a igreja como sua “família preferida”.

Assim como o ferro afia o ferro, um amigo afia um amigo .” ( Provérbios 27:17 )

3 – Maiores medidas de segurança

No início do processo COVID-19, a igreja local era considerada um dos lugares mais perigosos para se frequentar. Com a combinação de assentos próximos, passagem de material e canto, as igrejas têm sido vistas como um terreno fértil para potenciais surtos de COVID. No entanto, as igrejas mudaram radicalmente seu modelo para garantir a segurança de todos os fiéis.

As limpezas obrigatórias entre os cultos, os bancos com vários metros de distância, a proibição de passar salvas no ofertório e políticas rígidas de máscaras (para alguns) tornaram as igrejas mais seguras do que ir ao supermercado local. Muitas igrejas criaram uma experiência que permite que o serviço seja totalmente gratuito. Isso além dos números crescentes daqueles nos EUA que iniciaram sua primeira vacinação subindo para mais de 50%. Portanto, embora alguns tenham usado o COVID como desculpa para faltar à igreja para ir à praia, está claro que essa escolha agora é mais uma questão de coração do que de saúde.

4 – Prestar culto

Como crentes, todos nós temos um papel na divulgação do evangelho. Em todo o Novo Testamento, as igrejas (como um todo) e as igrejas individuais criam o Corpo de Cristo. O Corpo de Cristo representa a oportunidade ativa e viva de ser como Cristo Jesus e compartilhar o evangelho com todo o mundo.

Cada igreja cumpre seu propósito nesta jornada e cada crente desempenha um papel dentro da igreja local. Enquanto poucos podem ser chamados para ser um líder de igreja, muitos podem ser chamados para ensinar, encorajar, dar generosamente, cantar, liderar a oração ou até mesmo ajudar na divulgação.

O Senhor abençoou cada crente com certos dons que edificam Sua igreja e são usados ??para Sua glória. Nosso papel é buscar ao Senhor para saber como podemos servir. Podemos estudar e aprender a palavra por conta própria, mas dentro da igreja local podemos colocá-la em prática. Muitas igrejas locais precisam desesperadamente de quem simplesmente apareça e se ofereça para ajudar sendo um rosto amigável, abrindo a porta, ajudando a ensinar as crianças ou mesmo apoiando as necessidades da igreja por meio de doações. Quando deixamos de ir à igreja e prestar serviço, perdemos a oportunidade de fazer parte do desenvolvimento espiritual de outra pessoa.

Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação, Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros. De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; Se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.” (Romanos 12:4-8 )

5 – Companheirismo

Nunca fomos feitos para fazer nossa jornada cristã sozinhos. Na verdade, um esquema do inimigo é isolar os crentes. Juntos, podemos orar uns pelos outros. Juntos, podemos buscar a Deus e crer em um milagre em situações impossíveis. Vemos esse modelo em Marcos 6:7, quando ele envia os discípulos aos pares.

É claro que não devemos abandonar nossa fé sozinhos. Embora o modelo virtual de igreja continue a compartilhar o evangelho no exterior, ele ainda pode forçar os crentes a um estado de isolamento. Em seu livro, When The Church Was Family (Quando a igreja era família), Joseph Hellerman afirma que a igreja não deve apenas focar no relacionamento com Deus, mas também nos relacionamentos uns com os outros. Toda a experiência da igreja primitiva foi fundada dentro do contexto da comunidade desde a escolha de Jesus dos doze discípulos, aos 5.000 alimentados, ao encontro no cenáculo com o Espírito Santo e às primeiras igrejas se reunindo dentro dos lares. A experiência cristã foi fundada na união. Mesmo a oração do Senhor não está na forma singular, como afirma,

Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; O pão nosso de cada dia nos dá hoje; E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; E não nos conduzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém.” – Mateus 6:9-13

É claro que o Senhor deseja que demonstremos nossa fé juntos e pessoalmente. Busque o Senhor hoje para as igrejas locais onde você possa estar a serviço e que possa ministrar a sua família neste tempo.

E não negligenciemos nosso encontro, como alguns fazem, mas encorajemo-nos uns aos outros, especialmente agora que se aproxima o dia de seu retorno ”. ( Hebreus 10:25 )

por: Victoria Riollano
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago D. F. de Lima

Deixe sua opinião