Neste Natal, Lucas 2 provavelmente será a passagem mais lida das Escrituras. Conta a jornada de Maria e José a Belém, o nascimento de Jesus, o anúncio dos anjos aos pastores nos campos, a visita dos pastores ao estábulo e até a infância de Jesus. Este capítulo do Novo Testamento conta a história milenar do Natal, mas também é extremamente relevante para nossas vidas hoje de maneiras práticas.

Aqui estão cinco lições de Lucas 2 que podemos aplicar em nossas vidas hoje:

Mesmo Jesus não estava acima das circunstâncias simples

Quando você pensa em reis, você pensa em coroas, tronos e palácios… não estábulos cheios de animais fedorentos e um comedouro como cama para um bebê recém-nascido. Mesmo assim, Jesus, embora seja Rei dos Reis, veio ao mundo de uma forma notavelmente simples, humilde e despretensiosa. 

Seu nascimento foi a coisa mais distante das boas-vindas de um rei. Poucos de nós estão familiarizados com os costumes da realeza, e é difícil até mesmo imaginar o quão elaborado e requintado é esse estilo de vida. 

Muitos mais de nós, entretanto, podem descrever em detalhes como é um celeiro. Acho essa parte da história do Natal tão bonita – Jesus não veio à Terra como um Rei poderoso e majestoso que seria intimidante e intocável. Em vez disso, ele veio como um bebê inocente, carente e dependente, nascido de pais pobres e simplesmente normais. 

Tudo sobre o início de sua vida na terra foi humilde e despretensioso, dando-nos um Salvador com o qual podemos nos relacionar e compreender facilmente, não alguém que está distante ou em um trono elevado. Esta é uma verdade reconfortante – não precisamos ter cargos de prestígio ou contas bancárias bem abastecidas ou fama para sermos usados ??por Deus, porque nem mesmo Seu Filho exigia essas coisas.

A glória de Deus é digna de nosso louvor, mesmo quando temos medo

Quando o anjo do Senhor se colocou diante dos pastores que cuidavam de suas ovelhas durante a noite, o versículo 9 diz “eles ficaram apavorados”. Eu também ficaria! Mesmo que estivessem com medo e provavelmente tentando entender o que estavam vendo e ouvindo, se perguntando se estavam sonhando ou se isso realmente estava acontecendo, as primeiras palavras do anjo foram “Não tenha medo“.

Quando o Senhor faz uma promessa, podemos confiar que ele a cumprirá

Os pastores ouviram dos anjos que o bebê havia nascido e não duvidaram. O versículo 15 diz: “quando os anjos os deixaram e foram para o céu, os pastores disseram uns aos outros: ‘Vamos a Belém e vejamos isto que aconteceu, de que o Senhor nos falou.’” Eles ouviram a mensagem e imediatamente agiu de acordo, nunca hesitando ou questionando o que o anjo do Senhor havia dito a eles.

Devemos fazer o mesmo em nossas vidas. Temos as Escrituras como documentação tangível das promessas e verdades do Senhor, e devemos agir de acordo com elas sem questionar Sua fidelidade e confiabilidade.

Palavras  sobre o Senhor devem ser valorizadas

Quando os pastores visitaram Maria e José e o bebê na manjedoura, os versículos 17 e 18 dizem: “Depois de o verem, os pastores contaram a todos o que o anjo tinha dito a respeito da criança, e todos que ouviam a história dos pastores ficavam admirados.” 

Não consigo nem imaginar quais devem ter sido as histórias dos pastores depois de ver os anjos em toda a glória do Senhor nos campos, mas sei que deve ter sido poderoso e bonito. O versículo 19 diz: “Maria, porém, guardava todas essas coisas no coração e refletia sobre elas.”. O versículo 51 diz mais tarde: “Sua mãe guardava todas essas coisas no coração.”, depois que Jesus foi encontrado no templo, aprendendo com os professores. As coisas que Maria ouviu sobre seu filho e as coisas que o viu fazer eram belos tesouros para ela, e deveriam ser para nós também.

Devemos ter tempo para aprender com os mais velhos do que nós

Jesus fez isso quando criança no templo, pintando um lindo quadro para nós. Jesus era o onisciente e onipotente Filho de Deus, mas mesmo ele se sentou entre os professores do templo para ouvir, fazer perguntas e aprender. O versículo 47 diz: “Todos os que o ouviram ficaram maravilhados com sua compreensão e suas respostas”. O versículo 52 diz mais tarde: “E Jesus crescia em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens”. Ele sabia quando menino que os mais velhos tinham sabedoria a partir da qual ele poderia crescer e a buscou. Devemos fazer o mesmo, buscando o conselho e o conhecimento daqueles que são mais maduros e conhecedores de sua fé . Podemos aprender muito com mentores, professores e pastores quando ouvimos suas palavras, fazemos perguntas e apenas passamos algum tempo entre eles.”

Quando você ler ou ouvir Lucas 2 neste período do Advento, lembre-se dessas cinco coisas. Olhe mais profundamente além da história familiar do Natal e veja que esses versículos são praticamente relevantes para nós, mesmo milhares de anos depois.

A história de Natal encontrada em Lucas 2

Naqueles dias, o imperador Augusto decretou um recenseamento em todo o império romano. (Esse foi o primeiro recenseamento realizado quando Quirino era governador da Síria.) Todos voltaram à cidade de origem para se registrar. Por ser descendente do rei Davi, José viajou da cidade de Nazaré da Galileia para Belém, na Judeia, terra natal de Davi, levando consigo Maria, sua noiva, que estava grávida.  E, estando eles ali, chegou a hora de nascer o bebê. Ela deu à luz seu primeiro filho, um menino. Envolveu-o em faixas de pano e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria.  Naquela noite, havia alguns pastores nos campos próximos, vigiando rebanhos de ovelhas. De repente, um anjo do Senhor apareceu entre eles, e o brilho da glória do Senhor os cercou. Ficaram aterrorizados, mas o anjo lhes disse: “Não tenham medo! Trago boas notícias, que darão grande alegria a todo o povo. Hoje em Belém, a cidade de Davi, nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor! Vocês o reconhecerão por este sinal: encontrarão o bebê enrolado em faixas de pano, deitado numa manjedoura”.  De repente, juntou-se ao anjo uma grande multidão do exército celestial, louvando a Deus e dizendo:  “Glória a Deus nos mais altos céus, e paz na terra àqueles de que Deus se agrada!”.  Quando os anjos voltaram para o céu, os pastores disseram uns aos outros: “Vamos a Belém para ver esse acontecimento que o Senhor nos anunciou”.  Indo depressa ao povoado, encontraram Maria e José, e lá estava o bebê, deitado na manjedoura. Depois de o verem, os pastores contaram a todos o que o anjo tinha dito a respeito da criança, e todos que ouviam a história dos pastores ficavam admirados. Maria, porém, guardava todas essas coisas no coração e refletia sobre elas. Os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo que tinham visto e ouvido. Tudo aconteceu como o anjo lhes havia anunciado.  Oito dias depois, quando o bebê foi circuncidado, chamaram-no Jesus, o nome que o anjo lhe tinha dado antes mesmo de ele ser concebido.

Deixe sua opinião