Início Textos Edificantes Artigos 10 maneiras de ajudar a família de um descrente após o funeral

10 maneiras de ajudar a família de um descrente após o funeral

Em tempos de pandemia, milhares de famílias estão vivendo em luto, após um triste funeral de um ente querido, mas como cristão como podemos ajudar essas famílias?

25
família luto
Família em luto

Há dezoito anos, em novembro deste ano, papai morreu. E por 40 anos antes de sua morte, eu não tinha certeza de sua salvação. Ele nunca abriu a Bíblia, nunca pôs os pés em uma igreja e podia ser rabugento. Ele morou conosco dois anos antes de sua morte e meu coração ansiava por saber se meu pai tinha realmente entregado seu coração a Jesus.

Uma semana antes de sua morte, reuni coragem para perguntar: “Papai, você tem medo de morrer?”

Ele bufou e resmungou: “Claro que não.” Eu mergulhei. “Você sabe que se você crê no Senhor Jesus Cristo, Ele enviará Seus anjos para carregá-lo para o outro lado?” Ele olhou para mim com aquela expressão que você está prestes a pisar no meu último nervo. “Bem, estou apenas deitado aqui, esperando e acenando.” Ele rolou, encerrando nossa conversa. Mas meu coração se contorceu – “esperando e acenando?” O que isso quer dizer?

1. Dê abraços generosos e expressões de amor – não palavras.

Os abraços duram para sempre – as palavras se afogam e são esquecidas na angústia de corações tristes. Quer o falecido fosse um crente ou não, depois do funeral não é um momento para ensaiar todas as Escrituras que você pode reunir para consolar a família. Eles estão imobilizados, afundando na lama da dor. Quando um coração bate forte, um abraço sincero é como um unguento reconfortante para a alma. E esse abraço dá uma injeção de conforto que dura até o próximo abraço.

As expressões de amor aos que ficam para trás são variadas, de acordo com as necessidades da família. Sua dor é crua e a maneira de expressar melhor o carinho vem na forma de comidas saborosas, aparar grama, cuidar de crianças, mandar recados ou até mesmo fazer uma pequena faxina, se você for um amigo pessoal. Fazer. Não. Pregar.

Servi uns aos outros em amor” (Gálatas 5:13).

2. Seja primeiramente amigo.

A característica mais útil da amizade é a capacidade de ouvir. Dê oportunidade à família de conversar, se ela quiser. Não interrompa. Não ofereça soluções. Não condene. Não fique chocado. Dê-lhes permissão, por meio de suas reações, para chorar. Chore com eles – mas lembre-se, logo após o funeral, seus entes queridos ficam exaustos. Mantenha isto curto e simples.

Se você os conhece bem o suficiente, não pergunte, apenas faça. Traga refeições. Pegue uma cesta de presentes com guloseimas como chocolate, chás aromatizados, café ou biscoitos. Qualquer coisa para que saibam que você está disponível e pensando neles.

Não os sufoque com perguntas, citações das Escrituras, materiais devocionais ou livros sobre a cura da dor. Ainda não é a hora. O luto é um ladrão que destrói nossa capacidade de fazer muitas coisas, como pensar racionalmente. Apenas fique quieto. Ame-os e seja seu amigo. Sua capacidade de atenção não está pronta para uma conversa pesada ou concentração.

Em todo o tempo ama o amigo; e na angústia nasce o irmão” (Provérbios 17:17).

3. Dê-lhes permissão para lamentar.

Você já teve um amigo com quem poderia simplesmente estar? Não há necessidade de conversa. Sua presença foi o suficiente. Ser esse tipo de amigo é a maior ajuda durante este tempo de catástrofe emocional. Nesse dia de tudo instantâneo, somos levados a acreditar que três dias é tempo suficiente para planejar um funeral e enterrar seu ente querido; então é business as usual. Nada poderia estar mais longe da verdade.

O luto leva tempo e o luto de cada pessoa é único. Cada membro da família sofre de uma maneira diferente, porque cada relacionamento era diferente.

Se você sofreu uma perda, é um consolador certificado. Deus derrama conforto em sua alma, para que você possa derramar o conforto que Ele lhe deu na vida de alguém que está sofrendo. E sim, cristãos e incrédulos devem sofrer. A tristeza é o preço que você paga por amar alguém.

Tem misericórdia de mim, Senhor, porque estou angustiado; meus olhos se enfraquecem de tristeza, minha alma e meu corpo de tristeza” (Salmo 31:9).

4. Prepare-se para conceder misericórdia.

Ajudar os membros da família a lidar com a perda de um ente querido requer muita misericórdia. Como nunca estamos no nosso melhor quando estamos de luto, ajudar pessoas espinhosas costuma ser complicado. Jesus sabia disso – olhe para você e para mim. Mas quando você tem um coração para ajudar, o Espírito supre tudo de que você precisa – especialmente misericórdia.

Então, quando você tentar ajudar a família de um incrédulo, coloque sua face de misericórdia e graça e ame-os; não os pregue, nem os condene.

Há um tempo para tudo e um tempo para cada atividade sob o céu: um tempo para nascer e um tempo para morrer … um tempo para chorar e um tempo para rir, um tempo para lamentar e um tempo para dançar” (Eclesiastes 3:1-2,4).

5. Ore, ore, ore.

Independentemente da condição espiritual de uma pessoa, crente, descrente – quando a morte entra pela porta, ela traz consigo seus parentes para a hora do tormento … o primeiro é o medo. Medo do passado. Medo do presente. Medo do que está por vir. E, para muitos, medo da eternidade.

Não reconhecemos quão profundamente Deus nos ama ou até onde Ele irá para nos salvar. Sua misericórdia é nova a cada manhã. O Dr. EV Hill disse: “Deus não está no barco batendo nas almas perdidas com um remo. Não, Ele está estendendo a mão para o lado, agarrando-os pelos braços, pernas, pelos cabelos da cabeça … qualquer coisa para trazê-los à segurança em Jesus.” E a verdade é que depois da perda de um ente querido – salvo ou não – os membros da família ficam mais sensíveis à mensagem da misericórdia, do amor e do perdão de Jesus do que em qualquer outro momento de suas vidas.

Elas ficaram cara a cara com a realidade da mortalidade e sabem que são os próximos. Você deve estar confiante, mas cuidado ao abrir a boca para falar com essas pessoas. Com muita oração , o Espírito de Deus colocará palavras em sua boca. Esteja certo de que é o Seu Espírito falando.

Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados” (Mateus 5: 4).

6. Conheça a verdade sobre Deus.

Ele é o Juiz – nós não. Aqui está o resto da história de papai: O telefonema da casa de saúde disse que papai havia entrado no último estágio e eu devo ir rapidamente. Pulei no carro, implorando a Deus para me dar uma garantia sobre a salvação de papai. Cheguei para encontrá-lo deitado de lado, respirando superficialmente, sem resposta. De repente, ele se virou, um sorriso enorme iluminou seu rosto. Ele ergueu o braço e acenou e acenou. Então ele se foi! Eu estava perturbado. Sem respostas. Em seguida, voltando para casa, lembrei-me das palavras do papai… “Apenas deitado aqui, esperando e acenando.” Ele estava acenando para o anjo? Acenando para a mamãe? Acenando para Jesus? Sim!

Deus conhecia o coração do papai. Eu não. Quando esse momento chega, não podemos saber o que aconteceu entre nossos entes queridos e Deus naquelas horas, minutos e segundos antes da morte.

Sabemos que Deus é justo, honesto e justo. E Ele tratará conosco e com nossos entes queridos de maneira justa, honesta e correta. Chegará a hora de compartilhar isso com os membros da família de alguém que eles acreditam não ter sido salvo. Você pode compartilhar com confiança está verdade sobre o Senhor Deus Todo-Poderoso, que é o mesmo ontem, hoje e amanhã.

Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e eternamente” (Hebreus 13:8).

7. Ajude a família com perguntas do tipo “por que”.

Deixe-me repetir, ajudar uma família sofrendo perda requer misericórdia, graça e uma amizade amorosa. E muito tempo. Você não pode simplesmente entrar pela porta, despejar algumas Escrituras e sair. Isso não é amor. E a Escritura é a última coisa que a maioria das pessoas, até mesmo os cristãos, querem ouvir depois do funeral.

Na maioria das vezes, aqueles que estão sofrendo estão focados em “Por que eles? Por que agora? Por que eu?” Ou “e se?” E todos nós fazemos essas perguntas … mesmo quando a resposta parece aparente em casos preocupantes como suicídio, mortes relacionadas a drogas ou atividades criminosas.

Existem coisas associadas à morte que nunca compreenderemos. Mesmo se o fizéssemos, isso não diminuiria a tristeza da família. Quando chega o momento apropriado, a amizade entre você e o enlutado é sólida e eles estão prontos para ouvir, compartilhar com amor.

As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre …” (Deuteronômio 29:29).

8. Avise sobre expectativas irrealistas versus realidade.

Todos nós lutamos com expectativas irrealistas. Mas adicione a perda de um ente querido à mistura e a distância entre a realidade e as expectativas se transforma fora dos gráficos. E os problemas se multiplicam e aumentam como fermento.

Você encontrará um caleidoscópio de emoções em constante mudança ao ajudar uma família em luto. Os membros da família parecem porcos-espinhos com penas apontadas, prontas para atirar – uns contra os outros. Incentive aqueles que vão ouvir a manter suas expectativas o mais próximo possível da realidade. Então, os problemas diminuem.

Quando as pessoas são apanhadas no pântano da tristeza, sua inclinação natural é culpar outra pessoa. Seja o amortecedor ouvindo… depois leve-os a Deus. Uma e outra vez, eu ouvi palavras difusas saindo da minha boca. Palavras não de mim, mas de Deus. Palavras que fluíram como soda para acalmar corações contrariados.

“A resposta gentil desvia a ira, mas a palavra dura desperta a ira” (Provérbios 15:1).

9. Incentive-os a cultivar um coração agradecido.

Com o passar dos meses, a relação entre aqueles que são consolados e aqueles que dão conforto aumenta. Um vínculo de amor diminui sua dor. E o novo normal da pessoa em luto começa a vir à tona. Você pode ajudá-los a desenvolver uma atitude de gratidão.

Sugiro manter um pequeno bloco de notas amarelo para as ocasiões em que um sorriso começa a lançar pequenos raios de luz nas áreas escuras que o luto conquistou. Mostre a eles oportunidades para serem gratos. A gratidão diminui a tristeza da dor – pelo menos por enquanto.

Essas são indicações de que você os está ajudando a vencer a batalha – ao verem Jesus em você. Eles não estão mais presos na tristeza, mas aprendendo a confiar em Jesus por meio do modelo de amor e fidelidade que você demonstrou a eles em seu vale da sombra da morte.

Eu te digo a verdade, você vai chorar e lamentar enquanto o mundo se alegra. Você vai sofrer, mas a sua dor se transformará em alegria … Agora é a sua hora de dor, mas eu vou te ver novamente e você vai se alegrar, e ninguém vai tirar a sua alegria” (João 16:20 ,22 NAS).

10. Ajude-os durante as férias.

Meses se passaram, as emoções se acalmaram e a vida parece estar voltando a um padrão tolerável. Em seguida, acerta como um soco no estômago. Ação de Graças e Natal. Seus amigos enlutados adorariam se barricar em seus quartos no dia 1º de novembro e não sair antes de meados de janeiro. E essa dor parece pior do que a primeira.

Três anos atrás, a promessa de outro Natal sem nossa filha me emboscou, me empurrando de volta para aquele lugar de morte. Uma amiga que também havia perdido um filho ligou no exato momento em que experimentei esse colapso. Ela me deu palavras de sabedoria, direto do Trono de Deus. “Você não tem que seguir pela mesma estrada.” Ela disse. “Pegue um caminho diferente durante as férias.” E eu tenho. O Natal agora tem significado, em vez de medo. Não adore a tristeza. E esperança!

O Senhor está perto dos quebrantados de coração e salva os que têm o espírito abatido” (Salmo 34:18 NAS).

por: DiAne Gates 
traduzido e adaptado por: Pb. Thiago D. F. de Lima

Deixe sua opinião